Imperialismo teme mobilização
Após milhares de pessoas tomarem as ruas de todo Estados Unidos contra o fascismo e Donald Trump, burguesia foge de manifestantes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1449032_448312
Casa branca é palco de grande manifestação. | Foto: Reuters.

O presidente fascista Donald Trump, dos Estados Unidos, escondeu-se em um bunker após os enormes protestos que tomaram conta do país e cercaram a Casa Branca. Tal fato demonstra um enorme nível de radicalização política no país, que veio à nota nos mais recentes protestos, que já tornaram-se históricos.

Os protestos começaram há 7 dias, e teve como estopim o assassinato do trabalhador negro George Floyd, em Minneapolis. A notícia da morte brutal realizada por um policial, espalhou-se rapidamente por todo país após a divulgação de um vídeo onde Floyd era asfixiado até a morte.

Após o ocorrido, milhares de pessoas tomaram as ruas em Minneapolis, cercando a casa do policial e queimando o prédio de sua delegacia. Os protestos extremamente radicalizados tomaram conta de todo país, e locais como Nova York, Washington, etc. já estão tomados por milhares de pessoas.

A imprensa burguesa busca dar um caráter tipicamente identitário, de uma “luta entre raças”. Supostamente, a onda de violentos protestos que tomaram o país seria motivada pelo um assassinato de “um negro por um policial branco”. Contudo, a realidade se mostra completamente diferente.

Os Estados Unidos são hoje o epicentro da pandemia do novo coronavírus, com mais de 100 mil mortos e milhões de casos. O país enfrenta um colapso generalizado frente o vírus, como também, atinge taxas de desemprego recordes. A população trabalhadora está morrendo como nunca, dia após dia.

Dessa forma, com a morte de um trabalhador negro, mais um fato do enorme massacre da população negra no país, o país entrou em estado de ebulição. Os protestos contra a morte de George Floyd são um sintoma de uma luta que dirige-se diretamente à Trump e o imperialismo norte-americano.

A burguesia sabendo disso busca desviar o fator de classe nas mobilizações, porém a realidade é outra. Após os protestos tomarem os jardins da Casa Branca, pela primeira vez da história o palácio teve suas luzes apagadas, e Trump foi levado a um bunker para se proteger.

As manifestações de um caráter extremamente radicalizado, violento contra os fascistas e os capitalistas que buscaram impedir as manifestações devido a pandemia. A população demonstrou não ligar para o toque de recolher, e alguns, demonstrando o tamanho da radicalização, saíram às ruas pela primeira vez desde a pandemia, justamente para protestar.

Trump foi às suas redes sociais declarar que os manifestantes, considerados por ele “anarquistas” são criminosos, saqueadores, etc. E declarou que a ANTIFA, será considerada uma organização criminosa.

Estes são os maiores protestos que os Estados Unidos tem, motivados por uma causa negra, desde a morte de Martin Luther King, em 1968. A crise é histórica, e vem tomando proporções imprevisíveis. A burguesia teme a grande mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas