Truculência e assédio moral em dependência da Caixa, em Brasília

Conforme denúncia dos funcionários de uma dependência no edifício Matriz da Caixa Econômica Federal, que preferem não se identificar, há, por parte da diretoria, uma postura de truculência e de assédio moral no setor.

A eleição, fraudada, do aprendiz de fascista, Jair Bolsonaro, aumentou ainda mais, as tendências direitistas dos chefetes, borra botas do patrão, em relação aos ataques aos trabalhadores.

Segundo relatos dos próprios funcionários, o gestor do departamento cria um clima de terror entre os funcionários com ameaças de descomissionamento para aqueles que não se dispuserem a fazer horas extras na hora que ele bem quiser, chama a atenção do funcionário aos gritos na frente de todos do setor, rebaixou as notas de praticamente todo mundo na Gestão de Desempenho Profissional (GDP), o assédio moral é uma constante para que todos cumpram as metas do departamento.

Mais este caso de assédio por parte das direções das empresas não é um fato isolado em relação à própria Caixa Econômica e demais empresas, diz respeito ao aprofundamento do processo de golpe de Estado no País que aumentou as tendências fascistas por parte dos capitalistas em crise para aumentar, ainda mais, a exploração aos trabalhadores e de toda população.