Justiça burguesa
Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), arquivou a investigação contra a juíza Inês Marchalek Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba, acusada de racismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Tribunal de Justiça do Paraná
Tribunal de Justiça do Paraná. | Foto: Reprodução

Nesta segunda-feira (28) a Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), decidiu arquivar a investigação contra a juíza Inês Marchalek Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba, acusada de racismo por ter associado réu negro a uma organização criminosa, em razão de sua raça.

Os 23 desembargadores seguiram o voto do relator do caso José Augusto Aniceto que concluiu que não houve intenção discriminatória ou racista por parte da magistrada.

Em uma sentença de 19 de junho a juíza, escreveu que Natan Vieira da Paz homem negro de 48 anos, “seguramente” integrava uma organização criminosa “em razão de sua raça”. Os desembargadores avaliaram que tudo não passou de um erro de português e interpretação da sentença.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas