Perseguição Política
Em mais um episódio de arbitrariedade das instituições burguesas, o TRE do Paraná ataca as candidaturas do PCO na cidade de Curitiba -PR.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bandeira-pco-curtitiba-14-odytgylkb0jwykp72vr1emtu5ih8hxqlib1qllyvc0
Mais uma vez os partidos operários são alvo de perseguição das instituições burguesas. | Foto: Reprodução.

Não é novidade que os partidos de esquerda enfrentam todos os anos eleitorais grandes dificuldades e até mesmo perseguições do Estado burguês para lançarem as suas candidaturas proletárias, e nas eleições de 2020, uma das mais antidemocráticas dos últimos anos, não poderia ser diferente. A burocracia estatal e dos órgãos que regem as eleições são amplamente utilizados para perseguir politicamente a esquerda revolucionária na tentativa de impedir que candidaturas sejam lançadas, chegando ao ponto de negarem que a candidatura seja até mesmo registrada, como foi o caso da candidatura do PCO em Maceió-AL, onde o cartório se recusou a registrar a candidatura da companheira Nina Tenório para a prefeitura da cidade. Agora, na última segunda-feira (19), o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná indeferiu toda a chapa do Partido da Causa Operária na cidade de Curitiba. Foram indeferidas as candidaturas de Diogo Furtado à prefeitura e Feris Boabaid de vice prefeito, além de Priscila Ebara, Francisco Lima Junior e Benedito Costa, todos candidatos a vereador.

O indeferimento, que já foi rebatido com recurso, deu-se pela falta de CNPJ no diretório local municipal, o que interferia no DRAP (Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários), apenas um pretexto burocrático para a perseguição política. Em outros casos, na mesma situação, como Barra Bonita (SP), Salvador (BA), Araraquara (SP) entre tantos outros, a falta de CNPJ foi entendida como apenas uma limitação formal que não poderia ser superior ao direito político de qualquer trabalhador de participar das eleições.

Logo após o ocorrido, a imprensa burguesa, diferente de quaisquer outras situações, se pronunciou e finalmente “deu espaço” para o partido em suas pautas, espaço esse manipulado em uma verdadeira campanha para desmoralizar e também uma tentativa de enfraquecer a campanha eleitoral do PCO, colocando como certa a inviabilização das candidaturas, ou seja, colocando para os trabalhadores que o PCO já não era mais uma opção de voto e de alternativa diante de uma eleição dominada de candidatos da burguesia e golpistas, tudo conforme o planejado pela própria burguesia e seus veículos de comunicação.

A decisão do TRE juntamente com a campanha feita pela imprensa burguesa só demonstram mais uma vez como as eleições de 2020 estão antidemocráticas e se encaminhando para que mais fraudes contra os trabalhadores ocorram. Argumentos inconsistentes foram utilizados para deslegitimar a candidatura dos candidatos do Partido da Causa Operária demonstrando assim que a burocracia ultrapassa qualquer direito do trabalhador, ainda mais se esse direito de alguma forma possa representar algum risco ou ameaça aos privilégios burgueses. A ação do TRE e da imprensa tenta colocar como se os partidos operários fossem desorganizados, despreparados e até mesmo desonestos perante as instituições burguesas e a população. Não é de se surpreender que esse tipo de atitude aconteça, principalmente se nos atentarmos ao conteúdo das campanhas do PCO por todo o país, onde os trabalhadores são chamados para lutarem pelo Fora Bolsonaro e a se mobilizarem, sem falsas promessas ou demagogia com os problemas do povo, era de se esperar que os órgãos dominados pela extrema direita reagissem diante de tal situação.

Apesar das tentativas, a campanha do PCO na cidade de Curitiba continua a todo o vapor, e enquanto houver cabimento de recurso e na tentativa de viabilizar legalmente a chapa a campanha deve continuar com as atividades de campanha que já vem ocorrendo, e isso também implica que todos os candidatos continuam com plenos direitos políticos de uma candidatura, como participar de debates e realizar suas campanhas partidárias. É preciso denunciar mais esta arbitrariedade dos órgãos burgueses contra os trabalhadores e deixar claro que o PCO continuará com sua campanha nas ruas pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas e por Lula presidente, mesmo que a imprensa burguesa e o TRE, seja de onde for, tente deslegitimar a luta da classe operária.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas