Dia de Hoje na História
O Tratado de Latrão, assinado entre Mussolini e o Papa Pio XI, foi fundamental para conquistar o apoio da Igreja Católica ao regime fascista na Itália.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cq5dam.thumbnail.cropped.1500.844
Papa Pio XI e Benito Mussolini assinando o Tratado de Latrão. | Reprodução.

O governo fascista de Benito Mussolini e o Papa Pio XI assinaram, em 11 de fevereiro de 1929, o Tratado de Latrão ou “Tratado Roma-Santa Sé”. Esse tratado pôs fim à chamada “Questão Romana” e sacramentou o apoio da Igreja ao regime de extrema-direita fascista na Itália.

A guerra de unificação italiana  (risorgimento) em 1870 significou a tomada militar e a perda dos territórios que estiveram durante séculos sob controle da Igreja Católica Romana na península itálica. O Rei Vitor Emmanuel II ofereceu, neste mesmo ano, uma compensação financeira ao Papa Pio IX e o compromisso de mantê-lo como Chefe do Estado do Vaticano, um bairro de Roma onde ficava a sede da Igreja.  O Papa recusou o acordo e passou a se considerar prisioneiro do poder laico, inaugurando a “Questão Romana”

O governo Mussolini propôs um acordo com a Igreja, de forma a atender a suas reivindicações e garantir seu apoio para o regime político. O Tratado de Latrão formalizou o reconhecimento do Vaticano (cidade do Vaticano) como um país independente, sob autoridade do chefe da Igreja Católica, e o direitos de extraterritorialidade do palácio de Castelgandolfo e das três basílicas de São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extramuros.

O tratado significou também o pagamento de uma indenização para a Igreja em virtude das perdas territoriais (Estados Pontifícios) decorrentes da unificação italiana. O catolicismo foi reconhecido como religião oficial da Itália,  o ensino católico tornou-se obrigatório nas escolas públicas, ao casamento religioso foi reconhecido efeitos civis, o direito de divórcio extinto. Os sacerdotes que houvessem abandonado suas funções na Igreja foram privados de exercer cargos públicos e o clero católico adquiriu uma série de privilégios.

O fascismo criou o Estado do Vaticano. O apoio da Igreja Católica foi um fator fundamental para a consolidação do regime fascista, que se destacara na utilização do terror político contra a esquerda, os sindicatos e os movimentos populares. A Igreja Católica não teve pudor em apoiar um regime terrorista. Não foi por acaso que Mussolini passou a ser citado pelo papa como um homem que teria sido enviado pela Providência divina.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas