Pandemia
O principal temor é a aglomeração ao se locomover do trabalho para casa, e vice-versa, através dos ônibus,  trens e de metrô
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Coletivo Lotado
Passageiros aglomerados no metrô de São Paulo | foto: band/jornalismo

O transporte coletivo tem sido o maior medo de contágio por coronavírus para a maioria população, aponta pesquisa realizada pela Agência Senado. O principal temor é a aglomeração ao se locomover do trabalho para casa, e vice-versa, através dos ônibus,  trens e de metrô. O perigo se acentua nas capitais e grandes cidades do interior, onde ocorre neste momento a reabertura da economia, e onde a propagação pelo transporte público assusta a toda população.

A pesquisa mostra que a quantidade de pessoas que veem no transporte público um espaço de disseminação do Covid-19 é maior do que o percentual daqueles que têm receio de contrair o coronavírus em faculdades e escolas (83%), academias (78%), parques (65%) e bancos (54%).

A estratégia dos governadores e do governo Bolsonaro têm sido o de lançar a população à morte. Em São Paulo, por exemplo, o governador Doria, atendendo aos apelos da burguesia reabriu o comércio e pleno pico de contágio, com o intuito de salvar o lucro empresarial, em detrimento dos trabalhadores. Os governadores Witzel (Rio de Janeiro), Zema (Minas Gerais) e outros, seguem a mesma política assassina.

Nesse período da pandemia, ao invés de ampliar a frota de transporte público nas cidades, os prefeitos e governadores vem restringindo o número de veículos para transportar os passageiros. A maioria deles, os que mais necessitam do transporte público, é a população pobre trabalhadora, que não tem opção se aglomera nos precários meios dispostos pelos governos.

Além da população que necessita usar o transporte lotado, a classe dos motoristas de transportes, tem sido a segunda mais expostas durante a pandemia – em primeiro vêm os agentes de saúde. Em São Paulo o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário e Urbano (Sindmotoristas) teve que entrar com uma ação judicial para houvesse 100% da frota nas ruas novamente.

O que fica claro, é que as medidas dos “científicos” prefeitos e governadores, nada mais são do que um descaso para com a população trabalhadora, que agora é lançada oficialmente ao contágio pelo coronavírus, sem que haja nenhuma política de proteção social, de saúde ou econômica.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas