Frente de luta real
Principal liderança dos trabalhadores, Lula é o nome capaz de levar adiante uma luta capaz de acuar a direita no campo eleitoral
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lula msg ao Ato de apoio ao DCO
Ex-presidente é a liderança popular mais forte na esquerda | Foto: Reprodução / YouTube

Com a proximidade das eleições, agitam-se também os setores da esquerda que têm na disputa de cargos públicos, uma dos aspectos mais importantes da sua política. Contudo, o que se projeta para 2020 em relação ao desempenho destes partidos é uma derrota ainda maior do que a de 2016.

Emblemático disto, a construção de uma unidade da esquerda está mais em evidência do que em muitos anos. O problema é que a discussão jamais ultrapassa o aspecto mais raso da questão, que é a conquista de cargos.

Tendo atropelado qualquer formalismo ritualístico para derrubar o governo de Dilma Rousseff em 2016, chega a ser inacreditável que os maiores partidos esquerda brasileira ignorem a realidade, do País e do mundo, quanto a inviabilidade da luta dentro das instituições da dita democracia burguesa, cada vez mais abertamente ditatorial.

Neste sentido, da mesma forma que a burguesia não derrubou Dilma em 2016 para deixar Lula voltar em 2018, tampouco colocou o ilegítimo Bolsonaro no cargo de presidente para aceitar que a esquerda ganhasse qualquer espaço relevante pela via eleitoral. Aqui, cumpre lembrar que a capital onde o PT desponta com mais força é a para a prefeitura de Salvador, onde terá como candidata uma major da PM. 

Com medo de desanimar a militância, simpatizantes e eleitores, a esquerda evita tratar as questões de fundo do momento, apostando num otimismo incompatível com a realidade, algo que já foi verificado durante o famoso “vira-voto” de 2018, uma tentativa desesperada de derrotar Bolsonaro no segundo turno das eleições presidenciais e que no final, só serviu para a desmoralização da própria esquerda.

Sob manipulações ainda maiores do que o normal, as perspectivas das eleições municipais deste ano tendem a ser ainda mais duras para a esquerda. O que torna necessário uma mudança de rumos, com uma proposta mais consequente no sentido de dar combate ao bolsonarismo, o que pode ser conseguido com a construção de uma frente única em apoio ao ex-presidente Lula.

Neste caso sim, existe a chance de politizar a campanha eleitoral deste ano com nome é capaz de acuar a política da burguesia. Sendo o único candidato que tem um apelo popular real, que se desenvolve independente da máquina burocrática, uma arma que deve ser utilizada para levar a diante uma luta em um campo mais favorável. É preciso incluir a campanha em torno de Lula na campanha do fora Bolsonaro. Não como uma ilusão eleitoral cujo final já conhecemos, mas como uma alavanca para uma verdadeira mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas