Trabalhadores preparam grande greve nacional na Colômbia

cms-image-000024232
Bogotá, 3 abr (Prensa Latina) – Movimentos políticos e sociais da Colômbia preparam uma grande greve nacional para o 25 de abril em defesa do Acordo de Paz e em rejeição ao Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) do Governo.
‘Vamos todos às ruas e estradas da Colômbia em defesa da vida, do território, da democracia, da paz’, expressaram em uma declaração uns 200 agrupamentos sindicais, estudantis e defensores dos direitos humanos.

Segundo o líder da Central Unitária de Trabalhadores (CUT), Fabio Arias, um dos objetivos da jornada de protesto será exigir que se sancione a lei estatutária da Jurisdição Especial para a Paz (JEP).

Outro dos reclamos é pedir ao Estado o cumprimento de acordos pactuados com diferentes setores e entidades, como os professores, estudantes, indígenas, pensionistas, camponeses e trabalhadores em geral.

A mobilização chamará também à modificação do projeto de PND para o próximo quatriênio, o que consideram acentuada a precariedade trabalhista e a desigualdade social na Colômbia.

Estimam os organizadores do protesto que o Plano Plurianual de Investimentos contemplado no PND é contrário ao interesse da maioria de colombianos.

Também o sindicato dos hospitais públicos manifestou sua preocupação frente a um artigo do PND que de se aprovado -assinalam- deixaria submetida a riscos financeiros a rede pública hospitalar a conduzindo a extrema fragilidade.

Omar Romero, porta-voz da CUT, opinou assim mesmo que o Plano Nacional de Desenvolvimento atenta contra o direito ao trabalho e restringe os direitos às pensões.

A Colômbia atravessa por uma agudização do protesto social, demonstrada na Minga Indígena que cumpre nesta quarta-feira 23 dias em defesa de direitos ancestrais dos 102 povos originários que habitam no país.