Classe trabalhadora empobrece
Política levada a cabo por Bolsonaro e Guedes leva a uma expressivo e crescente empobrecimento da classe trabalhadora, enquanto os capitalistas levam trilhões do Estado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
24874,bolsonaro-da-ultimato-a-paulo-guedes-e-quer-crescimento-minimo-de-2-1
Inimigos de morte da classe trabalhadora | Foto: Arquivo/Causa Operária

Segundo estudo produzido pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), a renda média da classe trabalhadora sofreu perdas da ordem de R$53 bilhões somente no mês de maio, em decorrência da crise impulsionada pelo coronavírus.

Para chegar a este número, o técnico do Ipea Sandro Sacchet baseou-se nos dados produzidos no último Pnad Contínua e também no Pnad COVID-19, ambas as pesquisas produzidas pelo IBGE. Sacchet considerou os salários perdidos com o desemprego, a perda da renda percebida pelos informais e autônomos e também as reduções salariais ocorridas.

Ainda segundo a pesquisa divulgada pelo Ipea, em média, os trabalhadores com carteira assinada receberam 92% do total recebido anteriormente, isto é, até o mês de abril. Entre os empregados sem carteira assinada, a redução nos salários atingiu uma média de 24% e finalmente, entre os informais, o setor mais explorado da classe trabalhadora, o rendimento percebido ficou em 60% do total anterior. Com isso, a massa salarial média dos trabalhadores saiu de R$210 bilhões em abril para R$158 bilhões em maio.

O estudo em questão não leva em conta o peso da inflação sobre os custos de vida da população, por isso, ele serve para ilustrar o vertiginoso processo de empobrecimento da classe trabalhadora, contudo, sem fornecer detalhes mais concretos dos dramas experimentados pelos trabalhadores, que aumentam com o aprofundamento da depressão econômica.

Nesse sentido, o próprio Ipea publicou recentemente outro estudo revelador sobre a alardeada propaganda da “deflação”. Seguindo o consenso demonstrando pelo cotidiano dos trabalhadores, a deflação (isto é, a redução nos valores praticados no mercado) é um fenômeno percebido apenas na faixa de renda superior a R$15 mil mensais. Entre os pobres, a alta dos alimentos (4,3% nos primeiros cinco meses do ano) não pode ser compensada pela redução de 39,4% no preço médio das passagens aéreas, o que é naturalmente uma obviedade.

Estes dados colocam mais evidência sobre o caráter selvagem da luta de classes no Brasil, na medida em que evidenciam também o gigantesco contraste entre a fortuna trilionária dispensada dos cofres públicos para os grandes capitalistas (supostamente para manter os empregos e os salários dos trabalhadores durante a crise) e o empobrecimento generalizado da população, que nada recebe do governo além de uma esmola (que inclusive dividem com amplos setores da burguesia e da pequena burguesia) que mal paga uma cesta básica na maioria das capitais brasileiras. Fica claro que no centro de toda a situação está a luta política, evidenciando também a necessidade urgente de se derrubar o regime golpista de Bolsonaro, de modo a se estabelecer um regime político dedicado aos interesses da classe trabalhadora.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas