Ocupar as fábricas
Superar a vacilação das direções, parar e ocupar as fábricas da Embraer para impedir as demissões e a privatização
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
trabalhadores-embraer
Embraer é a terceira maior fabricante de aviões do mundo. | Foto: Roosevelt Cássio

A Embraer anunciou na última quinta-feira (03) a demissão de 2.500 funcionários. Segundo a empresa em nota, 900 funcionários, 4,5% do efetivo total da empresa, foram demitidos. Há ainda outros 1.600 funcionários que serão desligados por meio de três PDVS (Plano de Demissão Voluntária) abertos no decorrer da pandemia e que se encerraram na quarta-feira (02), uma redução de quase 15% da empresa.

A justificativa para tal ataque apresentada foi a pandemia da Covid-19, em nota afirmam:

“A pandemia afetou particularmente a aviação comercial da Embraer, que no primeiro semestre de 2020 apresentou redução de 75% das entregas de aeronaves, em comparação com o mesmo período do ano passado. Além disso, a situação se agravou com a duplicação de estruturas para atender a separação da aviação comercial, em preparação à parceria não concretizada por iniciativa da Boeing, e pela falta de expectativa de recuperação do setor de transporte aéreo no curto e médio prazo”.

A política da Embraer e dos acionistas é transferir para os trabalhadores todo o peso da crise, sem mexer em absolutamente em nada de seu caixa e lucros. A reação do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (Conlutas-PSTU), principal planta da empresa e cidade sede da mesma, foi extremamente débil, é preciso lembrar que o sindicato já havia cedido a aplicação da MP 936 que reduz salários e permite até suspensão de contrato.

O Sindicato está convocando uma assembleia virtual com início nesta sexta-feira (04) e término no sábado (05), nessa assembleia virtual os trabalhadores responderam a duas questões, se concordam com a proposta do sindicato que “prevê o cancelamento das 2.500 demissões (inclusive as adesões ao PDV), estabilidade no emprego por 24 meses e equalização dos altos salários pagos pela empresa, estabelecendo um teto de R$ 50 mil”, sem referirem-se a nenhum plano de luta efetivo e, mais incrível ainda, se ratificam a greve que já foi aprovada em assembleia presencial no dia 03, uma espécie de votação da greve em dois turnos. O Sindicato sinalizou também que recorrerá à justiça para impedir as demissões e os PDVs, uma vez que a denúncias de coação dos trabalhadores para aderi-los

É preciso superar a política vacilante, confusa, capituladora e pelega das direções burocráticas e avançar na luta efetiva contras as medidas draconianas que a empresa impõe aos trabalhadores. O método fundamental da luta econômica da classe operária é a greve e a ocupação de fábrica, qualquer outro meio institucional que desconsidere esse meio fundamental da luta operária não terá grande valia. Diante de tamanho ataque só a greve com a ocupação das fábricas pode trazer uma perspectiva de vitória aos trabalhadores. Parar as fábricas da Embraer e ocupá-las tendo por objetivo um programa claro de reivindicações que nesse momento passam pelo cancelamento das demissões, estabilidade no emprego, não privatização, Embraer 100% estatal.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas