Greve geral da saúde
O governo genocida de Marchezan, prefeito de Porto Alegre (RS) quer privatizar o sistema de saúde pública do município
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
xTestagem-no-MP-1024x768.jpg.pagespeed.ic.5rWBSYgsIU
Ato simbólico dia 10-8 | CUT

Desde o começo da pandemia, uma das categorias que mais sofreram com o COVID-19 foram os profissionais da saúde, que estiveram na linha de frente do combate à doença, muitas vezes sem equipamentos de segurança individual. Em contrapartida, os governos golpistas não fizeram nada para melhorar a vida desses profissionais, ao contrário estão demitindo e terceirizando em massa.

Um dos lugares é a prefeitura de Porto Alegre, que fechou o Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família de Porto Alegre (Imesf). Com o fechamento, no dia dez de agosto, a CUT-RS e Sindisaúde-RS realizaram um ato simbólico em frente ao Ministério Público do RS, em Porto Alegre, onde os trabalhadores do Sindisaúde cobraram a testagem em massa dos trabalhadores durante a pandemia do coronavírus e pelo fim das terceirizações.

Os profissionais, no ato simbólico, denunciaram a política golpista e fascista do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB), que extinguiu o Instituto, os profissionais concursados foram demitidos, com isso, foi prejudicado o atendimento em meio à pandemia.

O governo genocida de Marchezan quer privatizar o sistema de saúde pública do município, e fechou as atividades do Imesf, que era o órgão era responsável pela contratação de profissionais da saúde. Agora quer ampliar sua carnificina.

Diante do aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI, o número voltou a ultrapassar 90% na capital, e o prefeito fecha o Imesf, um absurdo. Essa é a política genocida, ao invés de ampliar os postos de trabalho para o setor de saúde, estão fechando e demitindo trabalhadores.

No Rio Grande do Sul já foram registradas 2.417 mortes e 84.034 infectados pela covid-19. O prefeito do PSDB segue a política genocida de Jair Bolsonaro, estão preocupados somente com os lucros dos bancos e dos patrões, os trabalhadores da saúde que estão desde o começo na linha de frente contra a pandemia, tem adoecido e muitos sendo demitidos.

Diante do caos que vem sendo promovido pelos governos golpistas, é preciso que os profissionais da saúde ampliem sua mobilização. É diante da eminência de uma aceleração dos casos de contaminação, com a abertura do comércio, é preciso organizar a reação.

No momento no Brasil, já foi ultrapassada a marca de 100 mil mortos pela COVID-19. Sabe-se que esses números são subnotificados, os governos, inimigos do povo, estão fechando postos de trabalho e discutindo a volta às aulas, é preciso que os profissionais da educação e saúde se juntem em uma grande mobilização para barrar os desmandos dos golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas