HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Tigrões com estátuas, tchutchucas com os tucanos

Luta dos bancários da CEF

Trabalhadores da CEF se mobilizam contra privatização

Em "assembleia" virtual trabalhadores da Caixa Econômica Federal nesse dia 22 de abril se paralisam suas atividades contra a privatização

Caixa – Foto Reprodução

Foram realizadas ontem (22), assembleias gerais extraordinárias específica dos trabalhadores da Caixa Econômica Federal, para cada base dos diversos sindicatos regionais, de forma virtual. Os encontros deliberaram a decretação de estado de greve e indicação de paralisação por tempo determinado no dia 27 de abril próximo.

A proposta de paralisação se dá em resposta à política do governo ilegítimo Bolsonaro e seus prepostos à frente da CEF, em dar mais um passo na direção da privatização do banco quando anunciaram, para o próximo dia 29 de abril, a abertura do capital de uma das subsidiárias da Caixa: a Caixa Seguridade.

Além de pavimentar o caminho para a privatização do banco, os números expressivos do faturamento da seguradora da CEF, não deixam dúvidas do que está em jogo na abertura do capital da subsidiária: o atendimento, por parte do governo, aos interesses dos grandes banqueiros e capitalistas nacionais e internacionais. Não é um mero acaso que todo o processo de abertura do capital esteja sendo coordenado por grandes bancos estrangeiros e nacionais, tais como o Morgan Stanley, Bank of America, Credit Suisse, Itaú BBA, USB BB.

Os recentes números dão conta do que está por trás do processo de entrega do patrimônio do povo brasileiro. A Caixa Seguridade teve um faturamento de R $35,9 bilhões em 2020, um crescimento anual de 13,1%, com receitas operacionais, nesse mesmo ano, somando R $2,2 bilhões, com alta de 7,9%; o lucro líquido bateu a cifra de R $1,8 bilhão.

O processo da venda das ações da Caixa Seguridade é mais um passo da direita golpista no sentido da privatização do único banco 100% público no país. Além do setor de seguridade do banco, a direção da Caixa já manifestou o seu interesse em abrir o capital, também, dos setores de Cartões e Loterias, bem como em transferir a administração dos recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para os banqueiros privados e transformar a CEF em Sociedade Anônima (S/A), com o objetivo de atender os interesses dos capitalistas nas bolsas de valores.

Uma questão que chama a atenção, é a forma pela qual as direções sindicais dos trabalhadores estão organizando as “mobilizações” dos trabalhadores da Caixa, de forma, exclusivamente, virtual. A “assembleia”, que já deixou de ser presencial desde o começo da pandemia do coronavírus, deixou de contar, mesmo que virtualmente, com a presença dos trabalhadores, passando a ser apenas de forma remota de “consulta assemblear”, sem qualquer forma de discussão, como tradicionalmente são feitas assembleias das categorias dos trabalhadores, com informes, debates, defesas contra e favor da greve, etc.

Tudo bem que a luta pode se desenvolver de diversas formas, mas nenhuma delas pode substituir uma grande mobilização de toda a categoria, uma agitação real, de massa, nos espaços públicos, com os sindicatos abertos com objetivo de atender a demanda dos trabalhadores. Afinal de contas como barrar aqueles fura-greves, que ao retornarem ao trabalho ponham em risco o sucesso do movimento paredista!?

O que há, na verdade, por trás dessa política é a paralisia dos sindicatos, que em sua esmagadora maioria insistem na política de isolamento, mantendo as entidades fechadas, quando milhares de trabalhadores estão em seus locais de trabalho. Essas iniciativas das direções sindicais vêm evoluindo em um sentido verdadeiramente grotesco. São eleições sindicais virtuais, assembleias virtuais e, até greve virtual como vimos em algumas categorias.

A única maneira de combater a ofensiva reacionária do governo dos banqueiros é se houver luta real, claro que se deve usar as redes sociais (e demais meios disponíveis) para uma intensa agitação, que se traduza numa mobilização real. Esta mobilização, por sua vez, precisa se dar no âmbito de uma luta igualmente real. A repetição de erros já cometidos, de tirar a figura dos trabalhadores da luta da categoria em favor de um movimento sem os trabalhadores é também um caminho muito seguro para a derrota de qualquer luta.

Nesse sentido é necessário organizar uma luta efetiva dos bancários da Caixa, com assembleias presenciais, logicamente tomando todos os cuidados sanitários, em locais abertos com distanciamento social, máscaras, álcool gel, etc.; abrir os sindicatos, medida de fundamental importância nesse momento em que os patrões estão se utilizando da pandemia para aumentar os ataques aos trabalhadores; preparar comitês de greve em todos os locais de trabalho; unificar a luta de toda a categoria bancária, que vem sofrendo com a política de arrocho salarial, demissões, assédio moral para cumprir metas, lutar pela vacinação já, medidas sanitárias nos locais de trabalho, etc., ou seja, uma verdadeira luta para barrar os ataques dos banqueiros e seus governos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.