Privatização das estatais
A Companhia Energética de Brasília atende milhões de pessoas em todo o Distrito Federal, com cerca de 700 empregados, com um faturamento anual de mais de R$ 4 bilhões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
d50d4396-4db3-4890-98f8-66cb49cf2bf1-696x392
CEB | Foto: Reprodução

Os trabalhadores da Companhia Energética de Brasília (Ceb) decretaram greve, a partir desse dia 01 de dezembro, contra a intransigência da direção golpistas da empresa que pretende excluir 24 cláusulas do acordo coletivo da categoria, que se encontra em data base, e também contra a política de privatização do governador fascista Ibanês, que marcou o leilão da companhia no próximo dia 4 de dezembro.

A intransigência da direção, em relação a por fim às cláusulas, que hoje se encontram no acordo coletivo, tem relação direta com a privatização, um exemplo é de se negarem a manter no acordo a cláusula de estabilidade no emprego dos seus empregados, direito esse que se não renovado abre o caminho para a demissão em massa dos trabalhadores com a contratação em massa de terceirizados.

Além da greve está marcado para o dia 2 de dezembro uma grande mobilização, organizada pelo o Sindicato dos Urbanitários de Brasília (Stiu), Cut/DF, trabalhadores das estatais, movimentos populares e parlamentares, através de um ato em Defesa da CEB Pública na Praça do Buriti em frente a sede o governo do DF.

O governador golpista do DF, Ibaneis Rocha (MDB), pretende dar o tiro de misericórdia para a privatização, uma das empresas estatais mais importantes da cidade, que é responsável pelo abastecimento de energia elétrica de todo do DF, por um preço de banana. A Companhia Energética de Brasília atende milhões de pessoas em todo o Distrito Federal, com cerca de 700 empregados, com um faturamento anual de mais de R$ 4 bilhões (dados de 2019). A manobra da empresa na data base da categoria é para facilitar a privatização que tem no fundamental beneficiar os amigos capitalistas do governo na compra da empresa.

A privatização da CEB é mais uma ataque contra a população e, em particular, contra os trabalhadores da empresa. Todas as privatizações significaram a entrega do patrimônio público em benefício de grandes banqueiros e capitalistas. Por isso é necessário apresentar um programa de luta que permita aos trabalhadores intervir na “crise” da empresa e do próprio Estado. Não às privatizações, não a privatização da CEB. Pelo controle dos funcionários sobre a empresa. Por auditorias, sob o controle dos trabalhadores, para determinar os responsáveis pelas dívidas, tão anunciadas pelo governo como justificativa, e punição dos responsáveis.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas