Torcida em fúria!
Torcedores do Flamengo ficaram revoltados com o fato de que o clube irá cobrar R$10 para que os fãs possam visualizar a partida em seu canal no Youtube
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1592494357-321912221-747x429 (1)
O presidente fascista Jair Bolsonaro e o presidente do Flamengo Rodolfo Landim. | Foto: reprodução.

Na manhã do último sábado, dia 4 de julho, os muros da Gávea, sede do Flamengo, amanheceram pichados com palavras de ordem como “O Flamengo é do povo”. As pichações aconteceram após o anúncio de que seriam cobrados R$ 10,00 aos torcedores para que pudessem assistir à transmissão da semifinal da Taça Rio, neste domingo (5), entre Flamengo e Volta Redonda, às 16h. O jogo seria transmitido pela plataforma virtual MyCujoo, sendo que os sócios não pagariam nada, apenas os torcedores “comuns” ficariam a cargo de pagar, tendo que comprar um ingresso virtual. Foi essa notícia que desencadeou a raiva espontânea dos torcedores.

A decisão de cobrar pela transmissão do jogo é resultado de uma briga entre o Flamengo e a Rede Globo. O clube não fechou acordo com a emissora para transmitir os jogos da Taça Rio. Após a MP do Governo Federal que altera os direitos de transmissão, o Flamengo decidiu transmitir o jogo contra o Boavista em seu canal no Youtube. A Globo rescindiu o contrato para a transmissão do Campeonato Carioca, mas mantendo o pagamento. A Ferj decidiu ir à justiça e conseguiu liminar para que fosse transmitida a partida da semifinal entre Fluminense e Botafogo.

Grande parte da torcida apoiou a transmissão do jogo contra o Boavista pelo Youtube, mas ficaram contra a cobrança do ingresso virtual para assistir ao jogo da semifinal. Até a manhã de sábado, o canal no Youtube do Flamengo tinha perdido cerca de 20 mil inscritos.

Entre as pichações, pode-se ver “Fora Landim ganancioso”, em referência ao presidente do clube, Rodolfo Landim, que já tinha sido alvo de protestos neste ano, após a reunião com Bolsonaro, no dia 21 de maio, para negociar a volta do futebol na pandemia de novo coronavírus, mostrando uma aproximação entre a diretoria do time e o fascismo. Os muros da Gávea foram pichados com frases chamando Rodolfo Landim e Luiz Eduardo Baptista, vice de relações externas do Flamengo, de fascistas e palavras de ordem como “somos democracia” e “clube do povo”.

Esses acontecimentos reforçam o fato de que os grandes empresários jogam o peso de suas crises nas costas dos trabalhadores. Mesmo que o monopólio da Rede Globo tenha sido quebrado, o que é positivo, a burguesia formada pelos cartolas dos clubes de futebol está longe de estar preocupada com os interesses dos torcedores, preocupando-se apenas com seu lucro. Os torcedores tiveram uma reação espontânea com as pichações e isso demonstra a sua insatisfação. O futebol deve ser do povo, não mercadoria apropriada por setores da grande burguesia!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas