Siga o DCO nas redes sociais

Contra os Ataques de Doria
Todos ao ato em defesa da educação e pelo fora Doria
A Apeoesp está chamando os educadores para um ato contra todas as maldades promovidas pelo João Doria ao magistério paulista
maxresdefault
Contra os Ataques de Doria
Todos ao ato em defesa da educação e pelo fora Doria
A Apeoesp está chamando os educadores para um ato contra todas as maldades promovidas pelo João Doria ao magistério paulista
TVT
maxresdefault
TVT

No último Conselho de Representantes (CR), foi aprovado um calendário de lutas que visa questionar os desmandos do governo golpista e fraudulento de João Doria (PSDB), que durante as eleições apoiou diretamente a candidatura do candidato do PSL Jair Bolsonaro.

No bojo desse calendário estão algumas datas importantes como o ato que ocorrerá hoje às 14 horas na Praça da República, onde apresenta um conjunto de reivindicações.

Diante do calendário de atribuição, que fere diversos direitos dos professores, o fim do professor mediador, a ameaça constante da “Escola com Fascismo”, a APEOESP chama todos os professores e ativistas à saírem as ruas e protestar.

Essa mudança da atribuição é um absurdo, pois professores mais novos terão mais pontos que os mais antigos. Isso fere os princípios do magistério, em que a experiência contava pontos e era requisito de classificação.

Os pontos em caso de títulos, quando os professores passam em concurso, não serão mais computados. No caso de mestrado e doutorado, esses títulos valerão menos da metade do que valiam: mestrado, de 5 para 2 pontos e doutorado, de 10 para 4 pontos.

Agora o que vai valer mesmo é o professor ficar em sala de aula, um absurdo, pois deveríamos reduzir o tempo com alunos e aumentar o estudo e o tempo livre dos docentes.

Com a redução da jornada, diversos problemas na escola seriam resolvidos, como o número excessivo de licenças e aumento do número de aulas, com isso, aumento de postos de trabalho, exclusividade em uma só escola, esse e outros problemas, como professores sem aula e horário coincidindo, pois isso ocorre devido ao número excessivo de aulas e ATPCs.

A política de desmonte e sucateamento do magistério, continua criando dificuldades para o trabalho dos professores, além dos salários miseráveis e de condições inadequadas que provocam doenças em milhares de professores da rede estadual de ensino.

Somente a mobilização da categoria em escala nacional, com ocupação de escolas vai reverter essas e outras arbitrariedades promovidas pelos golpistas de plantão.