Fora Duque, pede o povo.
Nestes tempo sombrios de coronavírus, liquidar as lideranças sociais da Colômbia é um dos principais planos para perpetuar a extrema-direita e o neoliberalismo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
colômbia
O povo colombiano repudia o neoliberalismo e pede o Fora Duque. |

A Colômbia, em 2018, num processo fraudulento capitaneado pela direita, elegeu à Presidência da República o ultraconservador Ivan Duque, figura ligada ao controverso ex-presidente Álvaro Uribe, e deu novo fôlego institucional aos setores refratários aos Acordos de Paz de Havana. As eleições eram os cantos de sereias que seduziram as esquerdas que se negaram a construir Comitês de defesa dos trabalhadores enquanto avançava o fascismo. Iván Duque, 41 anos, foi eleito para presidir a Colômbia até 2022.

Isso fez com que, nos primeiros três meses de 2020, na Colômbia, a perseguição e os assassinatos aumentassem, alcançando, até hoje, mais de 100 mortes de lideranças comunitárias, enquanto isso, entidades de direitos humanos apontam que o Executivo não toma as medidas corretas para erradicar a violência.

Nessa escalada, o terror fascista avança, e, em meio a um processo de privatização do setor financeiro com acordos com o FMI, pelo menos 983 líderes sociais, dos quais quase a metade são mulheres, foram ameaçados de morte na Colômbia. Esta é uma denúncia de Carlos Negret, chefe da Defensoria del Pueblo, agência responsável pela defesa dos direitos humanos no país.

Ocorre que, em Colômbia, líderanças sociais, comunitárias e indígenas, viraram alvos das violentas oligarquias nacionais, responsáveis pela forte atuação paramilitar com apoio no governo Duque.

São alarmantes os números de assassinatos. Negret, durante um encontro sobre a proteção da vida das mulheres realizado em Cali, apontou que apenas entre março de 2018 e maio de 2019 foram ameaçadas 447 mulheres defensoras dos direitos humanos, treze foram agredidas e vinte foram mortas.

Nesta quarta-feira (26), na cidade colombiana de Medellín, a organização de direitos humanos Casa Diversa Corporation denunciou um ataque contra seu diretor, ativista Jhon Restrepo, líder do bairro Esfuerzos de Paz, na Comuna 8 de Medellín e defensor dos direitos LGBT.

“Jhon Restrepo mobilizou todos os esforços possíveis para atender e proteger setores historicamente marginalizados que habitam sua cidade e a comuna 8. Hoje ele foi vítima de um ataque enquanto estava em casa, atendendo à quarentena obrigatória”, explicou a organização através de uma declaração.

O subsecretário de Direitos Humanos da Secretaria de Inclusão Social da Prefeitura de Medellín, Diego Herrera, repudiou a agressão à vida do líder social e que seu gabinete ativou o acompanhamento de Jhon Restrepo e seus parentes para cercá-los de garantias.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas