Água: malogro da privatização
O fracasso da privatização é completo. Manaus privatizou o setor há exatos 20 anos. Duas décadas depois, apenas 12,5% do esgoto é coletado na cidade e cerca de 600 mil pessoas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
quase-42-dos-
Uma calamidade ecológica. O restante do esgoto, ou 87,5% dele, é despejado no rio Negro. | "Foto: Reprodução".

A privatização de setores essenciais à população é um fracasso total. Manaus privatizou o setor de águas e saneamento há 20 anos. Duas décadas depois, apenas 12,5% do esgoto é coletado na cidade e cerca de 600 mil pessoas — o equivalente a 27% da população — não têm acesso à água.

Soma-se a tudo isso uma calamidade ecológica. O restante do esgoto, ou 87,5% dele, é despejado no rio Negro, em córregos e igarapés. No ranking de 2018 do Instituto Trata Brasil para o saneamento básico, Manaus aparecia como a 5ª pior cidade no País.

É preciso dizer que o Governo reassumiu no Tocantins os serviços de águas. Assim, no Tocantins, a experiência com a privatização também não gerou bons resultados. A principal companhia de saneamento do Estado, responsável pela grande maioria dos municípios, era a Saneatins, privatizada em 1998 após aquisição do Grupo Odebrecht. Depois, teve seus ativos vendidos novamente pela construtora e hoje chama-se BRK Ambiental — autointitulada a maior empresa privada de saneamento básico do país.

Dessa forma, há muito o governo reassumiu com a quebra da privatização. O modelo tornou-se insustentável em 2010, quando o governo do Estado teve de realizar um acordo com a empresa e criar uma autarquia (espécie de empresa pública), a Agência Tocantinense de Saneamento (ATS). O contrato foi colocado em prática em 2013, e a estatal assumiu os serviços de saneamento de 78 dos 139 municípios do Estado.

O malogro da privatização das águas e saneamento pode ser medido pela ATS que também  tem de cuidar das quase 300 mil pessoas que vivem na zona rural — área que demanda mais investimentos. Já a Odebrecht Ambiental (hoje BRK) ficou responsável por 47 cidades, entre as mais populosas — e lucrativas — do Estado, incluindo a capital Palmas. Hoje, apenas 36,6% dos moradores do Tocantins têm acesso à rede de esgoto, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2019.

Tudo o que se pode dizer até agora é que o modelo, no entanto, não apresentou bons resultados em Manaus e no Tocantins. Onde os serviços já são privatizados há duas décadas tudo resultou em colapso e fracasso.

A calamidade está aí. Atualmente, quase metade dos brasileiros não tem acesso a saneamento básico — isso é o equivalente a 101 milhões de pessoas, segundo o Instituto Trata Brasil. Mais de 50 milhões não contam nem com coleta de resíduos.

O fracasso da privatização é completo. Ou seja, antes mesmo da entrega ao setor privado, o controle do fornecimento de água e do tratamento de esgoto no Brasil foi aprovada pelo Senado na última quarta-feira (24). O modelo já fora experimentado e revelou-se inócuo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas