Deu em nada
Magistrada havia utilizado a cor da pele de um indivíduo como prova de crime

Por: Redação do Diário Causa Operária

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) decidiu arquivar o processo contra a juíza Inês Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba. Há alguns meses, a juíza proferiu sentença em que condenava um indivíduo utilizando como prova a corda sua pele negra.

Send this to a friend