Deu em nada
Magistrada havia utilizado a cor da pele de um indivíduo como prova de crime
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tjpr
TJ-PR | Foto: Reprodução

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) decidiu arquivar o processo contra a juíza Inês Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba. Há alguns meses, a juíza proferiu sentença em que condenava um indivíduo utilizando como prova a corda sua pele negra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas