Ditadura
Os atos de violência contra opositores do fascista Iván Duque tem aumentado a cada dia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48091451087_8c8b329ff5_k
Presidente da Colômbia Iván Duque. | Foto: OIT

Em pleno meio-dia do último sábado, 23 de maio, ocorreu um atentado contra a organização ANZORC, que é a Asociación Nacional de Zonas de Reserva Campesina (Associação Nacional de Zonas de Reserva Camponesa, em tradução livre). O ataque foi contra sua sede em Bogotá e não teve feridos  Apesar das medidas preventivas contra a Covid-19, nos sábados costumam ocorrer atividades e haver algum pessoal no escritório. Felizmente, no momento do atentado não havia pessoa alguma na sede.

Foram vidros quebrados e evidências de um disparo de arma de fogo em um escritório que se localiza a apenas um quarteirão da Procuradoria Geral da República, localizada no centro da cidade.

A ANZORC denunciou esse ato de terrorismo e exigiu que os fatos fossem investigados e que a perseguição a quem defende os direitos humanos na Colômbia cesse de uma vez.

Esse ataque é mais um dos vários ataques criminosos que vem ocorrendo em todo o território colombiano desde a desmobilização das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em 2016. A ANZORC, que basicamente luta pelos direitos dos camponeses e tem como uma de suas demandas imediatas a reforma agrária integral, faz parte da lista de alvos da direita colombiana.

Líderes sociais, defensores de direitos humanos, camponeses, comunidades indígenas e afrodescendentes na Colômbia tem sido vítimas diretas da violência gerada por grupos armados irregulares.

Organizações de direitos sociais e humanos, tanto colombianas quanto internacionais, tem denunciado a falta de proteção do governo principalmente nas áreas rurais, o que deixa o controle desses territórios nas mãos de grupos violentos.

Desde que foi ratificado o cessar-fogo entre as FARC e o governo colombiano em 2016, o número de mortos entre os camponeses e aqueles que os apoiam não para de crescer. O cessar-fogo era condicional, e uma das condições – a principal – é a deposição das armas pelas FARC. O problema é que o estado colombiano continua armado e, quando é para eliminar quem se opõe à sua política ditatorial e direitista, deixa o caminho aberto para que os grupos paramilitares façam o serviço sujo. Se esses grupos atuam sob ordem direta do governo ou não pouco importa, já que a falta de proteção por parte do estado é suficiente para que esses grupos cometam seus crimes. Isso é o que configura uma ditadura, entre outras coisas, pois quem se opõe pode ser eliminado de forma totalmente ilegal.

Em  2020 o número de mortos do terrorismo de estado na Colômbia já ultrapassou o número de 84. Comparando com o total de 86 mortos de todo o ano de 2019, percebemos que está ocorrendo uma escalada da violência durante o governo do fascista Iván Duque. Violência essa que é típica de qualquer ditadura. E, como sempre, só há um remédio contra essa ditadura colombiana: sua derrubada pela mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas