Governo dos latifundiários
Quase 30% do desmatamento de todas as terras indígenas na Amazônia entre 2018 e 2019 ocorreram na comunidade paraense Ituna-Itatá
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ruralista
Presidente golpista Jair Bolsonaro em apoio aos ruralistas. |

Desde o empossamento do presidente ilegítimo Jair Bolsonaro, a Funai e, consequentemente, o povo indígena brasileiro têm sido alvo de uma campanha completamente criminosa e genocida. O órgão citado, por exemplo, sofreu um desmonte generalizado por parte do governo. Para citar o mínimo, tomou posse como presidente da instituição o policial federal Marcelo Augusto Xavier da Silva, completamente inapto para o cargo.

Consequência deste desmantelamento total, a terra indígena paraense Ituna-Itatá sofreu um processo de intenso deflorestamento: quase 30% do desmatamento de todas as terras indígenas na Amazônia entre 2018 e 2019 ocorreram lá. Apesar de ser um território federal interditado, nada impede o ímpeto violento dos ruralistas e grandes proprietários de terra, somente preocupados com a intensificação da produção agrícola e a acumulação de capital.

Segundo o Ministério Público, deveria ser uma área livre de fazendeiros. Entretanto, encontra-se em 94% do território demarcado verdadeiros complexos agrícolas, o que demonstra, novamente, a ineficiente política de fiscalização por parte das entidades competentes. Vale lembrar que esse controle desleixado não é apenas uma questão de incompetência, mas sim um processo contínuo de precarização dos órgão responsáveis por parte da burguesia. É uma estratégia clássica da direita: primeiro precarizam as instituições públicas para depois avançar com suas pautas de privatização.

Em dezembro de 2019, Bolsonaro assinou a MP 910. Esta medida tem como principal objetivo proteger e auxiliar os latifundiários, regularizando a grilagem de terras invadidas por este setor. Tendo sido adiada por vários meses, provavelmente será votada hoje (12), aproveitando a total falta de preparo e organização da oposição, que usa como pretexto único a crise do coronavírus. Prova disso é a política adotada pela esquerda pequeno-burguesa à luz deste assunto, que se movimenta por meio de abaixo-assinados e manifestações virtuais, formas de protesto completamente ineficientes. Como exemplo, vale citar uma frase presente no manifesto contra a MP 910 da WWF Brasil:

Confiamos nas palavras do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e no presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, que se comprometeram em não pautar projetos que representem retrocessos ambientais.

Ou seja, enquanto a direita avança com seus projetos de extermínio da população, nesse caso, indígena; a esquerda escolhe fazer frente ampla com o chamado “centrão”, tornando-se parte desse. Enquanto o governo reforça cada vez mais uma postura colonial direcionada a essas populações, a esquerda parlamentar demonstra sua revolta por meios extremamente ineficientes e pelegos.

Até quando veremos um completo estarrecimento e desmobilização por parte desse setor? Quanto mais tempo passa, mais são as vítimas feitas pelo governo golpista e seus aliados da bancada ruralista. Culpa-se muito o Bolsonaro, que sem dúvida alguma é extremamente responsável por esse tipo de política e principal expoente da campanha de morte às comunidades indígenas. Entretanto, devemos nos perguntar: até que ponto estas mortes não estão também nas mãos dos dirigentes desses partidos e instituições que nada de real fazem para solucionar o problema?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas