Sob o governo dos monopólios
Assim como a Huawei foi proibida de fornecer internet 5G, o TikTok é agora banido da terra do Tio Sam.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
REUTERS - Florence Lo (1)
TitkTok entra na mira da guerra tecnológica travada entre os EUA e a China. | Foto: Arte/Reuters-Florence Lo/Reprodução

Os Estados Unidos da América sempre se venderam como a “terra da liberdade”. A esta condição ergueu-se uma estátua em Nova York, fotografada todos os anos por milhões de turistas que visitam o país imperialista atrás de comida ruim, aparelhos eletrônicos e roupas de marca. A maioria fabricada na China, o alvo atual dos estadunidenses no que diz respeito à liderança geopolítica e tecnológica no globo. Um revival da Guerra Fria.

Desta vez, Trump surpreendeu os mais desavisados e declarou a jornalistas durante viagem no avião presidencial Air Force One, na sexta-feira (31), que irá banir o aplicativo chinês TikTok:

“Em relação ao TikTok, vamos proibi-lo nos Estados Unidos”.

O TikTok é um aplicativo de vídeos curtos, muito popular entre os adolescentes e que pertence à ByteDance, um grupo de tecnologia com sede na China. A plataforma possui cerca de um bilhão de usuários no mundo e 80 milhões só nos EUA.

O diretor do TikTok nos EUA, Kevin Mayer, manifestou-se na quarta-feira passada:

“Não somos políticos, não aceitamos publicidade política e não temos agenda. Nosso único objetivo é permanecer uma plataforma viva e dinâmica, apreciada por todos”, afirmou.

Já o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse no domingo que o aplicativo de vídeo curto chinês TikTok “não pode existir como existe” agora nos EUA e, portanto, deve ser vendido ou bloqueado.

“Vou dizer publicamente que todo o Comitê [de Investimento Estrangeiro dos EUA] concorda que o TikTok não pode permanecer no formato atual porque corre o risco de enviar as informações de volta de 100 milhões de americanos” para a China, disse ele no estrutura de uma entrevista com a ABC News.

“Todos concordamos que deve haver uma mudança. O presidente pode forçar a venda ou o presidente pode bloquear o ‘aplicativo'”, reiterou, acrescentando que “todos concordam que não pode existir como existe” agora.

Esta pressão sobre plataformas estrangeiras é um sinal de que o regime político norte-americano está se fechando cada vez mais, motivado exclusivamente pelos monopólios do setor tecnológico como Google, Facebook, Microsoft e Twitter, que não admitem nenhum tipo de concorrência. A guerra tecnológica contra a China é só mais um exemplo forte disso.

Para confirmar este cenário, a gigante da tecnologia Microsoft anunciou em 2 de agosto que após uma conversa entre sua executiva-chefe, Satya Nadella, e o presidente dos EUA, Donald Trump, a empresa está se preparando para comprar o TikTok nos EUA.

“A Microsoft  aprecia totalmente a importância de abordar as preocupações do presidente.  Ela está comprometida  em adquirir o TikTok  sujeito a uma revisão completa da segurança  e em fornecer benefícios econômicos adequados aos EUA , incluindo o Tesouro dos EUA”, diz o comunicado.

A empresa acrescentou ainda que “ela entrará rapidamente em negociações com a controladora da TikTok, ByteDance, em questão de semanas e, em qualquer caso, concluirá essas discussões até 15 de setembro de 2020”.

A compra pode incluir  não apenas os  ativos da TikTok  nos EUA, mas também  no Canadá, Austrália e Nova Zelândia . Dessa forma, a Microsoft seria proprietária e operadora da TikTok nesses países, mas também pode convidar outros investidores americanos a participar de uma minoria na compra, informou o documento. A intenção de explorar esta  proposta preliminar para a compra  do TikTok nesses mercados  já foi notificada  pela Microsoft e pela ByteDance ao Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS), indica o documento.

Manobras como esta são essencialmente políticas e estão sob a supervisão constante do governo dos EUA. Veículos de comunicação chineses têm sua atividade restringida nos EUA a todo o momento, assim como os russos. Um exemplo recente de atuação semelhante foi a proibição da também chinesa Huawei de operar lá com o fornecimento do sinal de internet 5G. O mesmo ocorre agora com o TikTok.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas