Siga o DCO nas redes sociais

Imperialismo no comando
Termina a campanha eleitoral no Uruguai, votação acontece no domingo
Chegou ao fim nesta quarta-feira a campanha eleitoral para o segundo turno da disputa presidencial no Uruguai. Com o imperialismo na frente direita lidera, entenda:
51013614_403
Imperialismo no comando
Termina a campanha eleitoral no Uruguai, votação acontece no domingo
Chegou ao fim nesta quarta-feira a campanha eleitoral para o segundo turno da disputa presidencial no Uruguai. Com o imperialismo na frente direita lidera, entenda:
Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional e Daniel Martînez, da Frente Ampla.
51013614_403
Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional e Daniel Martînez, da Frente Ampla.

Nesta quarta-feira, dia 20, encerrou-se no Uruguai a campanha eleitoral para o segundo turno das eleições presidenciais no país, hoje disputadas por Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional e Daniel Martînez, da Frente Ampla.

Acompanhando os acontecimentos que vêm tomando forma de uma grande revolta popular por todo América Latina o Uruguai aos poucos vem recebendo em seu regime político a pressão por parte da base popular e por outro lado do imperialismo.

A esquerda uruguaia conseguiu se firmar no poder após a última grande onda de revoltas populares que houveram no continente, durante o final do século XX e o início da última década. Sendo assim, junto a países como Brasil, Argentina, Bolívia, etc, o Uruguai passou a ter também em seu governo um comando à esquerda, feito neste caso pela Frente Ampla, representado por Pepe Mujica, principal líder da esquerda uruguaia neste último período.

No caso uruguaio, principalmente devido ao fato de ser um governo ultra moderado, muito mais do que países como Bolívia, Venezuela, e até mesmo sem o peso de um PT, seu governo permaneceu relativamente estável durante 15 anos. Porém, como já vemos desde o início da campanha golpista do imperialismo por toda a América Latina, permitir a permanência de certos regimes políticos que não são totalmente subservientes ao imperialismo está fora de cogitação, e assim, após mais de uma década, a campanha da burguesia uruguaia em conjunto de países como os EUA está sendo responsável por retirar do poder um dos últimos governos populares do continente.

A campanha por enquanto assume um caráter mais eleitoral, já que estamos a dias da eleição do novo presidente do país. Contudo, como visto anteriormente em outros países, isso não foge da regra de ação do imperialismo, que certamente está disposto a fazer o que for necessário para assumir o poder, a questão é que no Uruguai hoje a situação está mais propícia para a direita ganhar por vias “legais”, devido a inércia da esquerda, então naturalmente a própria imprensa burguesa hoje prega em nome da “democracia” e da “escolha sábia” para o futuro do país.

Com toda esta propaganda junto a postura ultra conciliadora da esquerda, o Partido Nacional com Luis Lacalle é o favorito a ganhar o segundo turno das eleições, sendo apoiado por pessoas como o conservador Ernesto Talvi, do Partido Colorado e Guido Manini da extrema-direita uruguaia, deixando evidente que mesmo com a campanha imperialista de que este é um candidato de “centro”, na realidade reflete justamente os interesses mais profundos da burguesia e da extrema-direita.

As eleições estão para ocorrer neste domingo, dia 24, e o direitista lidera com 51% de intenção de votos, logo após em primeiro turno a Frente Ampla ter perdido maioria no parlamento. Este é mais um passo da dominação imperialista sobre o continente, firmando seu controle agora no Uruguai e abrindo caminho para uma ampla exploração desenfreada de seu território.