Terceirização de agências do Banco do Brasil: mais um passo dos golpistas para a privatização

correspondente

Banco do Brasil, em parceria com a iniciativa privada, em São Paulo abre agência com o quadro de funcionários totalmente terceirizado.

No último mês de abril a direção do Banco do Brasil, seguindo a cartilha da direita golpista que pretende entregar todo o patrimônio nacional nas mãos dos capitalistas nacionais internacionais, inaugurou uma agência, no Estado de São Paulo, que irá funcionar com trabalhadores terceirizados exercendo todas atividades de um bancário.

Logo após a deposição de uma presidenta legitimamente eleita com mais de 54,5 milhões de votos através da farsa impeachment comparado no reacionário Congresso Nacional vimos, por parte dos golpistas, uma ofensiva gigantesca para eliminar com os direitos e conquistas da classe trabalhadora principalmente no que se trata da reforma da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e a Lei da Terceirização, lei essa onde reza que todas as atividades de uma empresa podem ser executados por trabalhadores terceirizados.

O golpe de Estado não foi dado para retirar seis e trocar por meia-dúzia. É uma política de terra arrasada, de ataques aos trabalhadores e toda a população para beneficiar os capitalistas em crise.

A inauguração de uma agência totalmente terceirizada do maior banco estatal do país aliada com a política adotada pelos golpistas de reestruturação da empresa que já colocou no olho da rua mais de 10 mil trabalhadores, descomissionamento em massa, fechamento de centenas de agências em todo o país, etc. revela a verdadeira intenção do governo golpista de Michel Temer: de entregar mais essa riqueza no povo brasileiro, com ativos de mais de R$ 1 trilhão, nas mãos de meia dúzia de parasitas.

Os trabalhadores estão diante de um momento decisivo e, diante disso, é necessário lutar para derrotar os planos dos golpistas de liquidação do banco, que vem sendo atacado sistematicamente pela política de rapina da sua direção. Somente a luta contra a direção do banco é que irá manter como um banco estatal. Foi a iniciativa e a luta dos trabalhadores do BB que conquistou todos os seus direitos e será com a mobilização que esses direitos serão garantidos.