Tênis é para o primeiro mundo
Feijão, tenista brasileiro, é banido do esporte após acusações sem provas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
348565-834096-jpf-6355
Tenista João Souza (Feijão), banido do tênis mundial. Foto: João Pires |

O tenista brasileiro, João Souza, conhecido por Feijão, está banido definitivamente do tênis profissional. Feijão que já foi o número um no ranking brasileiro e atualmente ocupa a 69ª posição mundial, foi acusado de corrupção pela (TIU) Unidade de Integridade do Tênis, uma espécie de Lava Jato do esporte. Além da expulsão, Feijão foi multado em US$ 200 mil, equivalente à 800 mil reais.

Feijão foi considerado culpado em casos de manipulação de resultado em torneios das séries Challenger e Future no Brasil, no México, nos Estados Unidos e na República Tcheca e também de ter deixado de relatar propostas para manipular resultados.

A investigação iniciou após denúncias de manipulação de resultados em fevereiro do ano passado, quando o atleta foi afastado provisoriamente. Após apresentação de defesa por seu advogado, a defesa foi aceita pelo TIU e a suspensão revogada. O atleta Paulista de 31 anos, jogou o Challenger no México, vencendo duas partidas, porém, teve que abandonar a competição sai 18 pois a TIU alegou “prova adicionais”. Na sexta feira, Feijão foi comunicado da multa e de seu banimento definitivo do tênis profissional.

A defesa do atleta irá recorrer na Corte Arbitral do Esporte (CAS), em Lausanne, na Suíça, última instância do direito desportivo mundial. “Uma das teses é negar, como a gente vem negando, qualquer ato de corrupção por parte do Feijão. Por mais que tenham havido alertas de apostas em relação a alguns jogos que ele participou, por isso que começa a investigação, ele não tem nada a ver com isso. Se alguém estava fazendo (atos de corrupção) em relação às partidas dele, não tinha participação do Feijão de forma alguma, então esse é um dos argumentos”, declara o advogado do atleta, Michel Asseff Filho.

A punição do atleta brasileiro é um caso atípico na história do tênis. Em 1997, André Agassi, um dos grandes nomes da história do tênis, foi pego em exame anti-doping, quando o exame acusou o uso de metanfetamina. Na ocasião o atleta alegou ter consumido acidentalmente bebida contaminada com a droga, acusando um assistente, e foi absolvido da acusação.

Embora sejam situações diversas, uma de corrupção, outra de doping, observa-se condutas distintas diante das alegações de ambas defesas. Os dois atletas declararam inocência, porém apenas a de Agassi, redigida à próprio punho, foi aceita.

A Lava Jato dos esportes, a TIU, com base em denúncias sem provas, evidencia um claro caso de perseguição ou, no mínimo, de arbítrio ao banir o tenista brasileiro em definitivo das competições.

Em época da retomada da dominação do subcontinente, torna-se inadmissível a ascensão de um latino americano, com nome de “Feijão”, em um dos esportes mais elitistas que se tem conhecimento. Tênis é para poucos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas