Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
haddad
|

Existem duas políticas fundamentais diante do governo golpista de Jair Bolsonaro: esperar até 2022 para tirá-lo nas eleições, ou mobilizar os trabalhadores nas ruas em torno da exigência do imediato fim do governo, com a palavra de ordem Fora Bolsonaro! A segunda dessas políticas propõe um confronto com o regime político por meio dos métodos dos trabalhadores, com greves e protestos, até que o governo se torne insustentável. A primeira consiste em procurar desgastar o governo durante seus quatro anos e então aproveitar isso eleitoralmente.

São políticas mutuamente excludentes, ou se espera até 2022, ou se exige a saída de Bolsonaro agora, mobilizando os trabalhadores e a população contra o governo. Quem exige Fora Bolsonaro! agora não quer esperar até 2022. Já quem prefere canalizar eleitoralmente os fracassos do governo ao longo de todo o seu mandato, usando isso em uma campanha eleitoral em 2022, é contra a mobilização pelo fim do governo. Ou seja, é a favor da continuidade desse governo até 2022.

Um problema da política de esperar as eleições, entre muitos outros, é saber se haverá eleições presidenciais em 2022. E se houver eleições, em que condições elas ocorrerão. Essa mesma política já foi testada uma vez no atual momento político. Tentou-se derrotar o golpe de 2016 durante as eleições de 2018, mesmo sem Lula poder participar. O resultado dessa aposta temerária, apresentada na ocasião como uma política mais “realista” e “pragmática”, agora já é conhecido. Surpreende, portanto, a persistência em um erro similar.

Contudo, não há apenas exemplos do passado a deporem contra uma nova aposta eleitoral. Essa semana o candidato do PT em 2018, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, foi condenado em primeira instância à prisão por caixa 2 nas eleições de 2012. Sua defesa denuncia que Haddad sequer era acusado disso no processo em que foi condenado, o que evidencia mais um processo fraudulento contra um dirigente petista, dessa vez em uma farsa ainda mais escancarada. O regime golpista nem se preocupa mais em tentar encobrir o caráter persecutório de suas ações no Judiciário.

Portanto, cabe perguntar: haverá eleições normais em 2022? Em caso de haver eleições, a esquerda conseguirá participar ou todos os seus candidatos remotamente viáveis serão condenados sem provas e perseguidos?

Além disso, à parte o problema eleitoral diante de um regime progressivamente cada vez mais autoritário, também cabe perguntar se ainda haverá Brasil em 2022. Bolsonaro está destruindo o patrimônio público, rasgando todos os direitos dos trabalhadores, estimulando a guerra contra os trabalhadores sem terra, atirando milhões de pessoas na miséria, destruindo o meio ambiente etc. É viável aguardar para ver até onde essa destruição pode chegar caso o governo perdure até 2022? Devemos reafirmar claramente que não. Um governo como esse deve acabar o quanto antes, e é em torno disso que se deve mobilizar os trabalhadores nas ruas. Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas