Reciclagem da direita golpista
Temer também quer “Direitos Já”
O objetivo de uma frente como essa é reciclar a direita tradicional, que se afundou completamente com a campanha golpista que levou à queda de Dilma e à eleição de Bolsonaro
71911272_2483010555146991_6489880907799855104_n
Reciclagem da direita golpista
Temer também quer “Direitos Já”
O objetivo de uma frente como essa é reciclar a direita tradicional, que se afundou completamente com a campanha golpista que levou à queda de Dilma e à eleição de Bolsonaro
Michel Temer e Fernando Guimarães. Foto: Fernando Guimarães/Facebook
71911272_2483010555146991_6489880907799855104_n
Michel Temer e Fernando Guimarães. Foto: Fernando Guimarães/Facebook

Terça-feira (8), o tucano Fernando Guimarães, que coordena a frente Direitos Já, divulgou em sua conta no Facebook que teve um encontro o usurpador golpista Michel Temer. Fernando Guimarães anunciou alegremente que Michel Temer, uma das principais figuras do golpe de 2016, “manifestou integral apoio ao Direitos Já! Fórum pela Democracia”. Essa é mais uma aliança que demonstra o caráter da frente Direitos Já!, lançada mês passado com um encontro no teatro TUCA, da PUC, em São Paulo. Trata-se de uma frente com o chamado “centrão” e com a direita tradicional do regime político. O propósito oficial é unir a “oposição” a Bolsonaro, no entanto,, devemos denunciar que essa é mais uma manobra da direita golpista.

 

Reciclagem

O objetivo de uma frente como essa é reciclar a direita tradicional, que se afundou completamente com a campanha golpista que levou à queda de Dilma Rousseff e à eleição de Bolsonaro. Esses setores foram os principais responsáveis pela organização da extrema-direita, que se aglutinou em torno da campanha pela derrubada de Dilma e agora serve de base de sustentação do governo ilegítimo e golpista de Bolsonaro. Ao longo dessa campanha, a direita tradicional do regime se desgastou muito mais do que os próprios alvos da campanha, o que se refletiu também nas eleições, com o desempenho pífio dos partidos de direita, em especial do PSDB, que se afundou.

O desgaste deve-se ao fato de que esses partidos tiveram uma atividade golpista e que levou à eleição de Bolsonaro. Agora com essa frente, esses partidos de direita procuram se reciclar com a ajuda da esquerda. A esquerda teria nessa frente o papel de limpar a imagem desses partidos de direita, que participaram do golpe e agora querem aparecer como “oposição” ao bolsonarismo. É uma farsa completa, não serve para combater o governo Bolsonaro e pode levar a uma recuperação desses partidos da direita nas próximas eleições, enquanto a esquerda não tem nada a ganhar com essa frente.

 

Contra Bolsonaro é preciso dizer Fora Bolsonaro!

Essa suposta “oposição” a Bolsonaro não vai derrubar Bolsonaro, e, no momento em que a população espontaneamente diz Fora Bolsonaro a cada nova manifestação, trata-se na verdade de uma sustentação a um governo que está caindo aos pedaços. A oposição a Bolsonaro deve ser feita de forma independente, não com Michel Temer ou o PSDB. Fernando Haddad quase teria comparecido ao primeiro encontro do Direito Já!, tendo desistido de última hora. Essa política é um perigo para a esquerda, pode levar Bolsonaro a fazer seu governo antipopular tranquilamente e pode reerguer o PSDB. A hora agora é de levantar o Fora Bolsonaro!, aproveitando a tendência que já está nas ruas.