Temer, carrasco do povo, diz que é salvador da economia brasileira

O presidente golpista Michel Temer e seu ministro-banqueiro da Fazenda, Henrique Meirelles, ganharam espaço na imprensa golpista para “comemorarem” o suposto resultado oficial do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017 que teria apontado um crescimento de 1%, após dois anos, atingindo R$ 6,6 trilhões.

O suposto crescimento deu-se depois de duas quedas sucessivas de 3,8 e 3,6%, nos anos anteriores diante da política recessiva e de destruição da economia brasileira pelos golpistas. Ou seja, ainda que considerando os dados – quase sempre mentirosos – do regime surgido do golpe de estado de 2015-2016, o “crescimento” de 1% ocorreu depois de recuar cerca de 8% em dois anos, que fizeram o valor nominal do PIB, recuar a valores reais – em dólares –  muitos próximos do ano de 2010. Esse montante é também cerca de 6% inferior a 2014, antes da intensificação da operação golpista que levou à derrubada da presidenta Dilma Rousseff.

As declarações comemorativas são dignas de um “primeiro de abril” e sua enorme repercussão pela imprensa burguesa evidencia uma vez mais seu caráter golpista e totalmente submisso aos interesses do capital internacional.

Cinicamente, no Twitter, o presidente-pinóquio escreveu que cumpriu com suas promessas e colocou a economia do país em pé. Segundo ele, que não tem a confiança nem mesmo de sua base no Congresso, “agora podemos avançar. Não vou deixar o país andar para trás.” Com a mesma “cara-de-pau”, declarou em entrevista à Rádio Tupi, que o resultado do PIB de 2017 representa “uma esperança para o futuro do País”.

Na mesma linha, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, discursou, ignorando a realidade, que “o desempenho de 2017 confirma que o Brasil saiu de sua pior recessão”. E mesmo sendo um dos responsáveis pela política de congelamento dos gastos públicos por 20 anos, privatizações, entrega do petróleo brasileiro e outras medidas de destruição de setores fundamentais da economia, também escreveu no seu Twitter que “voltamos a crescer porque mudamos a direção da política econômica e iniciamos um intenso processo de reformas estruturais e de aumento de produtividade na economia”.

Temer, Meirelles, da mesma forma que outros golpistas, procuram fazer campanha com os insignificantes – e duvidosos – 1%, sem assumirem a paternidade pela “freada” dada pelo golpe na economia nacional que levou o País a ter mais de 25% de sua força de população economicamente ativa – PEA – desempregada e subempregada, este sim um dado vivenciado pelos milhões de famílias brasileiras, nas quais há sempre algum membro desempregado ou subempregado.

Em meio a uma falência total do governo golpista que, cada vez mais, está colocado sob a tutela dos militares golpistas que apoiaram a derrubada de Dilma e toda a política recessiva imposta à serviço dos bancos e do grande capital “nacional” e estrangeiro.