O descaso com a cultura
Casa de acervo do Teatro Oficina sofre despejo sem aviso prévio. Sem condições financeiras e sem previsão de ajuda do governo, o dramaturgo José Celso Martinez Corrêa pede doações.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
4497673981_d5d11ec0af_o (1)
Leitura dramática de Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez | Gaudio Fotografia

O Teatro Oficina Usyna Uzona nasce como movimento cultural A Oficina no interior do Centro Acadêmico 11 de Agosto no Largo São Francisco atuando de forma amadora entre 1958-1961 e profissionalmente até os dias hoje, com reformulações. Vanguardista desde seus primórdios, A grande companhia tem uma trajetória de 62 anos como observadora atenta e participante ativa das inovações culturais ocidentais, o que a tornou um símbolo do vanguardismo no teatro brasileiro e internacional ainda na década de 60, no momento em que o grupo estreara O Rei da Vela, de Oswald de Andrade em 1967.

Apesar de toda importante colaboração para cena cultural, na semana passada, o acervo da Cia que era  situado no bairro do Bixiga na Capital foi desapropriado as pressas, em decorrência da falta de aviso prévio, após a venda do imóvel, que posteriormente cederá lugar a um novo empreendimento. Apesar das dificuldades financeiras e das restrições impostas pela pandemia à organização e atuação, José Celso busca meios de viabilizar a comunicação e a produção cultural da instituição e dos artistas, porém sem muito sucesso, pois teatro exige essencialmente um público presente e sua réplica à atuação.

O acervo contava com registros audiovisuais das peças, cadernos culturais de José Celso e colaboradores, figurinos de Lina Bo Bardi, além de documentos históricos e panfletos de época. Mediante a situação enfrentada, o dramaturgo José Celso ergueu uma campanha de doações denominada #ProtejaOTeatroOficina com o objetivo de sobreviver a crise e conseguir outro lugar para servir de abrigo ao acervo reunido pela instituição.

Os problemas enfrentados pela Oficina e pequenas companhias, que são em sua maioria independentes, e por artistas independentes refletem o descaso com a cultura em todos os níveis, já patente na dissolução do Ministério da Cultura pelo governo Bolsonaro e o apoio massivo recebido em seu projeto por parte dos demais representantes burgueses em 2019; demonstrativo da importância secundária da cultura para o governo atual.

É igualmente explícita a falta de planejamento por parte dos governos estaduais e municipais ao manter setores importantes da sociedade e já sucateados sem suporte financeiro. Inclusive é necessário alertar sobre as restrições para o funcionamento dos ambientes culturais o que pode inviabilizar financeiramente ou burocraticamente a manutenção parcial ou total das atividades, que estarão disponíveis somente com 40% de sua antiga capacidade e abertos só seis horas diárias, sem um amplo e abrangente apoio estatal anterior. Em resumo, a reabertura não resolve os problemas da cultura.

A conclusão que podemos chegar é que: longe de ser poupada ou levada em consideração, a cultura é alvo constante de ataques por parte dos governos federal, estaduais e municipais, seja pelo desmonte direto, seja pelo abandono à própria sorte. A luta dos artistas, em especial os independentes e livres das amarras burguesas, está intimamente ligada à luta contra o golpe de Estado sofrido pela presidenta Dilma em 2016, o que coincidentemente marca o inicio das ameaças e dos ataques contra a cultura. Em última instância, é luta pela a derrubada do governo Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas