Plenária nacional do PCO
Partido realiza em Janeiro uma importante plenária nacional para organizar e impulsionar a luta contra o governo Bolsonaro e em defesa das reivindicações das massas populares
plenária nacional
"Foto - Reprodução" - O "Fora Bolsonaro" é a principal campanha do PCO a ser levada em 2020 |

Nos dias 14 e 15 de dezembro do ano passado, o PCO e os comitês de luta contra o golpe realizaram, na cidade de São Paulo, a segunda Conferência Nacional dos Comitês de Luta Contra o Golpe. Na oportunidade o partido, o conjunto da sua militância e demais ativistas processaram uma rica e fecunda discussão, onde foram abordados os aspectos mais relevantes das questões que permearam a conjuntura política do ano que se encerrou, o balanço das diversas lutas travadas ao longo de 2019, as campanhas levadas adiante pelo partido (luta contra o golpe, luta pela liberdade e anulação dos processos contra o ex-presidente Lula, luta pelo “Fora Bolsonaro”, mutirões, etc.). Como resultado, foram adotadas um conjunto de resoluções a serem implementadas durante o ano, particularmente a luta pelo “Fora Bolsonaro”, carro-chefe e maior de todas as campanhas a serem levadas em 2020.

Para dar cabo a estas tarefas, o PCO tomou a iniciativa de realizar, já agora no mês de Janeiro, uma grande plenária nacional, momento em que o partido tratará de organizar e impulsionar as resoluções adotadas por ocasião da 2ª Conferência Nacional. Na pauta desta importante plenária nacional estarão em debate a conjuntura internacional (a ofensiva militar do imperialismo contra o Irã e os povos árabes); as eleições municipais de outubro; a campanha pelo “Fora Bolsonaro”; a organização dos comitês; a organização partidária; a campanha de filiação ao partido, dentre outras questões de relevância para a luta partidária no próximo período.

Em um momento particularmente grave e também decisivo da conjuntura nacional, onde a quase totalidade da esquerda nacional se encontra paralisada em função da sua política de prostração e inércia diante dos ataques do bolsonarismo, o partido tem diante se si não só a tarefa de assumir a vanguarda na luta contra o governo Bolsonaro, a burguesia e a extrema direita, como pode e deve aproveitar a oportunidade para fazer crescer e desenvolver o partido, impulsionar uma luta decisiva para que o PCO se torne um verdadeiro e autêntico partido de massas, não somente forte do ponto de vista teórico e ideológico, mas numericamente poderoso e influente.

A tarefa central da plenária deverá estar voltada para a discussão de todos os mais palpitantes temas que irão compor a agenda política nacional, junto a estratégia do partido para intervir e fazer desenvolver a luta social de massas no País. Neste sentido, uma das discussões a serem processadas se dará em torno a temática das eleições municipais, onde o partido decidirá sobre o lançamento de candidaturas em municípios ali onde os candidatos do PCO levarão uma campanha pautada pela defesa dos interesses e das reivindicações das massas populares, além de utilizar o momento eleitoral para denunciar, de forma contundente e corrosiva, o governo Bolsonaro e seus ataques contra a população pobre e explorada do País.

No que diz respeito à principal campanha a ser desenvolvida pelo partido, o “Fora Bolsonaro” assume particular importância, não somente por ser a principal e mais importante reivindicação popular, o desejo das massas em colocar para fora o governo responsável pela maior obra de destruição do País, como se trata de uma palavra de ordem que somente foi levantada pelo PCO, muito embora o partido tenha feito todos os esforços para que a esquerda nacional assumisse a campanha pelo “Fora Bolsonaro”. É neste sentido, portanto, que a campanha assume particular importância e na qual estão colocados todos os elementos de um enorme potencial para o desenvolvimento partidário.

Um outro elemento decisivo e de singular importância a ser discutido na plenária nacional diz respeito à organização e impulsionamento dos mais de 500 comitês que a II Conferência Nacional deliberou por constituir em todo o País para impulsionar a luta contra o golpe de Estado e pela anulação de todos os processos que a justiça golpista move contra o ex-presidente Lula. Neste sentido, vale destacar que mesmo diante de todas as dificuldades e limitações enfrentadas pelo partido em impulsionar a campanha nacional em defesa da liberdade do ex-presidente Lula – dificuldades acentuadas pelo boicote explícito e ostensivo da esquerda à campanha – foi o esforço empreendido pelo PCO, realizando os mutirões nacionais e os dois atos vitoriosos em Curitiba, que contribuiu decisivamente pela liberdade do companheiro Lula.

Também como meta para o próximo período, o partido tem como objetivo impulsionar uma grande campanha de filiação de novos companheiros, fortalecendo e ampliando a estrutura partidária e sua militância orgânica. Esta tarefa deverá estar casada com a campanha que o partido levará adiante para impulsionar as tendências de luta presentes na conjuntura, com as massas ganhando as ruas de todo o País para o enfrentamento contra Bolsonaro e seu governo de ataques às condições de vida das massas populares.

Dessa forma, o partido dirige um chamado a todo o conjunto da sua militância para que o melhor dos esforços sejam empenhados, fazendo da  plenária nacional um momento de importância crucial e decisiva no desenvolvimento da luta por fazer do PCO um grande partido nacional de massas, que lidere a luta dos explorados para impor uma derrota decisiva à burguesia e ao governo de extrema direita, serviçal do imperialismo e do grande capital.

 

 

 

Relacionadas