Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
0p2a7898-3031534
|

Em artigo no jornal golpista Folha de S. Paulo, a jornalista Mariliz Pereira Jorge afirma que Tabata Amaral sofreu um “apedrejamento” nas redes sociais: “porque seguiu o que acredita, porque peitou o partido, os dirigentes, contrariou os eleitores, tem sido alvo das piores ofensas que já li nesse tribunal que julga e apedreja instantaneamente.”

Toda a choradeira no texto da colunista serve apenas para defender o voto da deputada do PDT a favor da Reforma da Previdência, uma das maiores atrocidades que já foram cometidas contra o povo brasileiro. A deputada direitista, que tenta se travestir de esquerdista, não seguiu o que acredita. Seguiu o que seu patrão mandou. E quem é seu patrão? Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico da Suíça e segundo mais rico do Brasil, com uma fortuna estimada em quase R$ 100 bilhões.

Lemann tem interesse direto na aprovação da Reforma da Previdência, como um grande capitalista, uma vez que lucra com o roubo do dinheiro que deveria ser repassado para a aposentadoria de milhões de brasileiros mas que Bolsonaro quer desviar para os banqueiros e especuladores. Assim, Lemann quer matar de fome boa parte do povo brasileiro com essa reforma genocida.

Tabata recebeu bolsa de Lemann e foi estudar em Harvard (berço de diversos funcionários do imperialismo no Brasil, como Moro e Raquel Dodge). Depois, se juntou à fundação Renova BR, vinculada a diversas instituições imperialistas e que treina “lideranças” políticas, algumas delas eleitas nas eleições fraudulentas de 2018, como a própria Tabata e deputados de partidos de direita, como o NOVO.

Segundo reportagem do jornalista Rafael Bruza, a campanha de Tabata Amaral recebeu o financiamento de nove empresários (R$ 509,5 mil), cinco vezes mais do que ela colheu de seu próprio partido (R$ 100 mil) nas eleições passadas. Os nove capitalistas são, conforme o editor do sítio Independente: Patrice Philippe Nogueira Baptista Etlin (que doou R$ 90 mil), Nizan Mansur de Carvalho Guanaes Gomes (R$ 79,5 mil), Maurício Bittencourt Almeida Magalhães (R$ 50 mil), Marco Racy Kheirallah (R$ 50 mil), Marcelo Battistella Bueno (R$ 50 mil), Luiz Felipe Coutinho Dias de Souza (R$ 50 mil), Daniel Krepel Goldberg (R$ 50 mil), Daniel Faccini Castanho (R$ 50 mil) e Ricardo Steinbruch (R$ 40 mil).

Esse último é nada menos do que capitalista da indústria têxtil, dono da Vicunha Têxtil, e com participação na CSN, cujo principal executivo é seu irmão Benjamin Steinbruch. Benjamin é dirigente da FIESP e foi patrão de Ciro Gomes quando este trabalhava na Transnordestina Logística, subsidiária da CSN. Nas últimas eleições, filiado ao PP, chegou a ser cotado para ser vice do candidato abutre. Foi Benjamin que, defendendo a reforma trabalhista com unhas e dentes, disse que não haveria mal nenhum se o trabalhador comesse com uma mão e operasse com a outra tendo apenas 15 minutos de almoço.

Ou seja, Tabata Amaral, que não era conhecida até aparecer eleita deputada, foi alçada por grandes capitalistas, que, portanto, controlam o que ela faz na política. Para que beneficie os seus próprios interesses, os seus lucros (e não “o que ela acredita”. Para quem é financiado pelos capitalistas, como é o caso de Tabata Amaral, votar por “idealismo” na verdade é votar pelo bolso dos piores vampiros que sugam todas as riquezas dos trabalhadores e do País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas