Tabata Amaral

Mal surgiu enquanto figura pretensamente esquerdista e a sua máscara agora cai em definitivo. Estamos falando de Tábata Amaral, jovem deputada federal recém eleita pelo PDT. Após tecer algumas críticas insossas e inofensivas ao ex-ministro da educação do governo Bolsonaro, o infame Ricardo Vélez, Tábata foi apresentada pelo PIG, o Partido da Imprensa Golpista e por setores da esquerda pequeno-burguesa (como por exemplo O Cafezinho) como uma nova liderança da esquerda. No entanto, podemos afirmar com total segurança aquilo que o título desta matéria adianta: Tábata Amaral é de direita.

Desde o incidente envolvendo o asqueroso Vélez, citado no parágrafo anterior, este Diário havia destacado o perfil direitista de Tábata. O PDT de Amaral, hoje capitaneado por Ciro Gomes é um partido tão direitista que, em uma lista parcial apoiou o impeachment de Dilma, a intervenção militar do Rio, as reformas de Temer, se aliou ao DEM, o partido da ditadura militar brasileira e também apoiou a prisão de Lula. Alguns dirão que o PDT  não esteve unificado em torno desses problemas. No entanto, a própria Tábata demostrou pertencer justamente à ala direita do PDT.

Foto da votação do PDT com relação à reforma da previdência que revela o direitismo de Tábata.

Mas não é “só” por causa do apoio de Amaral à reforma da Previdência que afirmamos que ela é de direita. Toda a esquerda brasileira foi surpreendida por uma foto que correu a internet de Tábata com ninguém menos que João Doria Jr., o governador fascista de São Paulo!

A foto foi postada no perfil de Doria em seus perfis nas redes sociais. A legenda da mesma é muito esclarecedora. No encontro, os dois teriam discutido medidas para “melhorar” a qualidade do ensino público e articular a aprovação da destruição da Previdência! Um escândalo dessas proporções é como batom na cueca: simplesmente não tem explicações. No entanto, da mesma forma que com frequência os maridos que se encontram neste tipo de situação ainda buscam apresentar justificativas, vimos alguns seres, conhecidos popularmente por “ciretes”, que tiveram a ousadia de tentar defender Tábata.

A “lógica” das “ciretes” é muito simples. Eles infestam as redes xingando os petistas que denunciam a direitista Tábata e espalham por toda parte fotos de Lula, Haddad e outras lideranças do PT com elementos da direita, como Maluf, por exemplo. Por parte de alguns pode tratar-se de ignorância, mas por outros é pura desonestidade. Se por um lado Lula e o PT sejam defensores de uma política de conciliação de classes, no período anterior era justamente o PT quem estava no governo. A proximidade de Tábata e do PDT de Doria e da extrema direita brasileira, como é o caso do DEM, se dá no atual estágio em que nos encontramos, em que Bolsonaro foi eleito por uma fraude gigantesca e Lula segue preso nas masmorras em Curitiba. O papel desempenhado pelo PDT hoje é o de dar sustentação ao governo Bolsonaro. Já o ativismo cirete, que só existe na internet e mesmo assim despenca em queda livre, revela cada vez mais seus traços bolsonaristas. Eles xingam todo mundo e, na falta total de argumentos, só conseguem acusar o PT pelos seus acordos pregressos com a direita. Aproveitamos a matéria e fazemos um chamado às “ciretes”: saiam das redes sociais e venham para as ruas defender a sua política. Só não reclamem se receberem um tratamento similar ao dispensado ao MBL.

Na realidade é disso que se trata. O que vemos hoje no PDT é uma tentativa de infiltração do imperialismo na esquerda brasileira, cujo propósito é isolar politicamente o PT. Por isso esse esforço hercúleo de impulsionar “novas” lideranças de esquerda no Brasil, afinal, tanto Lula quanto o PT seriam representantes de uma esquerda embolorada, mofada, nas palavras de Luciana Genro.

Um setor da esquerda pequeno-burguesa buscou a neutralidade diante desse encontro. É o caso da Revista Fórum, que apresentou a foto destacando que o encontro desencadeou críticas não só à Tábata mas também ao próprio Doria, cuja “base” é composta por elementos de extrema direita. A esquerda não pode buscar uma isenção diante de Tábata Amaral, do PDT e de outros setores que tentam dar sustentação ao governo Bolsonaro e ainda tem a cara de pau de se apresentar como sendo de esquerda. Devemos repetir sistematicamente a verdade nua e crua: Tábata Amaral, o PDT e Ciro Gomes são de direita.