O importante é ter lucro
Abandonados pelos governos golpistas, quilombolas sofrem invasão pelo setor privado, que não liga para os riscos apenas para o lucro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aldeia1-1200x720
Empresa capitalista e anti-ambientalista | Foto: Reprodução

Em uma divisa entre o Maranhão e Piauí, a empresa Suzano Celulose e Papel comete diversos crimes contra o meio ambiente, colocando em risco dezenas de centenas de vidas. As comunidades quilombolas, Tanque de Rodagem e São João, Cocalinho e Guerreiro, denunciam as arbitrariedades da empresa em uma região com mais de 90 comunidades. 

A empresa está invadindo as terras dos quilombolas, exercendo a expansão do seu plantios. Essa ação leva o avanço dos eucaliptos e a falta de água que consiste na expulsão de diversas espécies de animais e perda de vegetais, dificultando os habitantes naturais. É praticado a operação “contrafogo”, ação que leva o ateamento de fogo a partir das áreas plantadas, prejudicando diretamente as plantações dos camponeses. 

Os quilombolas procuraram conversar com o responsável da brigada de incêndio da empresa Suzano Celulose e Papel Ltda que não foi identificado. Porém confirmou que a empresa não tem interesse e nem está preocupada com o território quilombola e seus habitantes. A preocupação do encarregado é em conter os possíveis focos de incêndio na produção da empresa.

O papel exercido pela empresa é contra um discurso colocado para enganar os trabalhadores, onde se coloca como uma empresa ambientalista e desenvolvimentista. O descumprimento da legislação trabalhista é constante praticado por milhares de empresas terceirizadas, inclusive a Suzano.

Nem em tempos de uma grande crise sanitária pelo Covid-19, foi capaz de barrar temporariamente as ações ilegais da empresa, ao solo de comunidades tradicionais quilombolas.

O fato é que os quilombolas além de ter grandes problemas com a política pública que não chega aos habitantes, deixando 5 milhões de idosos abandonados na pandemia, a medida de isolamento social nos Quilombos na tentativa de combate ao vírus, não está permitindo que as populações frequentem suas roças, sem produzir o alimento não tem como sustentar as comunidades,  abrindo espaço para invasão dos setores privados. Os  trabalhadores têm que enfrentar essas empresas privadas que querem lucrar em cima das vidas e terras em território que não pertencem a eles. É necessário a mobilização dos moradores das comunidades quilombolas para barrar qualquer tentativa de invasão e expulsar já o setor privado de suas terras.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas