Siga o DCO nas redes sociais

Crise institucional
Suprema Corte inglesa considera ilegal a suspensão do Parlamento
Suprema Corte britânica decide que atitude de Boris Johnson de pedir suspensão do Parlamento era totalmente ilegal
Mayor Of London Remembers The Capital's War Dead
Crise institucional
Suprema Corte inglesa considera ilegal a suspensão do Parlamento
Suprema Corte britânica decide que atitude de Boris Johnson de pedir suspensão do Parlamento era totalmente ilegal
Primeiro-ministro britânico. Foto: Ben Pruchnie/Getty Images
Mayor Of London Remembers The Capital's War Dead
Primeiro-ministro britânico. Foto: Ben Pruchnie/Getty Images

Da redação – Em decisão da Suprema Corte do Reino Unido, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, agiu de forma ilegal ao decidir que haveria suspensão do parlamento durante cinco semanas, deixando a Grã-Bretanha em um momento de crise em torno das decisões sobre o Brexit, que, para Johnson, tem que acontecer sem um acordo com a União Europeia.

Lady Hale, presidente da Suprema Corte britânica, julgou nesta terça-feira essa ação, afirmando que a atitude de Johnson em pedir a suspensão do Parlamento à Rainha aconteceu de forma “ilegal, sem efeito”. A decisão se deu de forma unânime entre os 11 ministros que votaram a decisão, alegando que o primeiro-ministro quis impedir o desempenho democrático dos parlamentares em suas funções.
A presidente da Suprema Corte ainda afirmou que: “os efeitos sobre os fundamentos da democracia eram extremos“, afirmando que o governo não conseguiu dar uma justificativa plausível para a suspensão do Parlamento durante essas cinco semanas, como se fosse apenas um capricho de Johnson. Críticos da situação do Reino Unido alegaram que o que Boris Johnson estava tentando fazer era diminuir o tempo hábil dos parlamentares para averiguar a possibilidade do Brexit acontecer e impedir que se desse sem um acordo com a União Europeia.