Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolso_ditadores
|

O suposto atentado sofrido pelo candidato da extrema-direita à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), ocorrido na tarde da quinta-feira, dia 06 de setembro, na cidade mineira de Juiz de Fora, onde o candidato fazia campanha, desencadeou um festival de declarações oriundas dois mais diversos setores, todas em solidariedade ao candidato direitista.

Um aspecto que chamou a atenção diz respeito ao fato de nenhum dos que se declararam solidários ao candidato fascista terem feito qualquer referência às abjetas e execráveis declarações de Bolsonaro atacando os indígenas, os negros, as mulheres, os nordestinos e o conjunto da esquerda, inclusive com ameaças de “metralhar petistas”. Que a direita não tenha dito uma só palavra condenando o candidato do PSL, isso é totalmente compreensível, afinal não há o que se cobrar nada da direita neste sentido. No entanto, é rigorosamente espantoso ver os “representantes da esquerda” na eleição (Boulos-Psol e Vera Lúcia-PSTU) dando declarações de condenação ao suposto atentado a Jair Bolsonaro, É totalmente vergonhosa e inaceitável a conduta das duas candidaturas neste episódio.

O capitão do Exército Bolsonaro é o representante da extrema-direita na eleição e sua campanha vem sendo marcada pelos mais acintosos e ameaçadores ataques contra a esquerda nacional. Isso por si só já seria suficiente para a mais ampla manifestação de repúdio, denúncia e condenação do deputado candidato. Ao invés disso, no entanto, o que se vê por parte da esquerda que participa das eleições são declarações de solidariedade ao candidato fascistóide

Nunca é demais lembrar que Bolsonaro é apoiador da ditadura, dos generais golpistas de 1964 e dos torturadores. O candidato direitista, quando do impeachment que derrubou a presidente eleita Dilma Rousseff, declarou seu voto homenageando o coronel Carlos Alberto Brilhante Ulstra, gorila do Exército que comandava as sessões de tortura e terror contra a esquerda nos porões do DOI-CODI, unidade de repressão, tortura e assassinatos da ditadura. Brilhante Ulstra comandou pessoalmente as sessões de tortura contra a presidente Dilma Rousseff, nos terríveis anos de chumbo do regime militar golpista.

Deixamos claro aqui que a intensa exploração – por parte da imprensa golpista – do suposto atentado ao candidato apoiador da ditadura e da tortura é mais uma manobra da burguesia e da direita para turbinar a candidatura daquele que pode vir a ser uma espécie de “Plano B” dos golpistas, diante do naufrágio da primeira alternativa (Alckmin), cuja campanha não decola e não emplaca nem com “reza brava”.

Solidarizar-se com Jair Bolsonaro, portanto, é igualar-se e estar ao lado dos generais golpistas da ditadura, os mesmos a quem o direitista candidato bate continência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas