Aqui não se fala mal do futebol brasileiro

Pressão das torcidas

Superliga Europeia morre na praia

Fracassa projeto europeu para formar uma liga hiper restrita no continente

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Jogadores do clube inglês Brighton usaram camiseta em protesto à Superliga com os dizeres “Futebol é para os torcedores”. – Foto: Neil Hall – Pool/Getty Images.

A Superliga Europeia morreu na praia. O projeto que tinha como objetivo declarado substituir a Liga dos Campeões encontrou resistência de diversos setores, mas especialmente dos principais interessados no futebol, os torcedores.

Enquanto a Liga dos Campeões anunciou nessa semana a ampliação dos clubes participantes, de 32 para 36, a Superliga propunha um modelo hiper restrito com apenas 20 clubes. Seria uma espécie de campeonato dos mais ricos que fecharia as portas para a maioria dos clubes europeus.

A iniciativa partiu de doze endinheirados clubes europeus de apenas três países: Inter de Milão, Juventus e Milan, pela Itália; Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid, pela Espanha; Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham, pela Inglaterra.

O anúncio da criação da competição gerou uma enorme crise no futebol europeu, envolvendo disputas comerciais e o repúdio das torcidas. A UEFA, responsável pela Liga dos Campeões, chegou a ameaçar com punições aos clubes que aderissem à Superliga e banimento de jogadores de outras competições europeias e internacionais, o que poderia incluir até a Copa do Mundo, com o apoio da Fifa.

Os mais recentes finalistas da Liga dos Campeões, Paris Saint-Germain e Bayern de Munique recusaram o convite para integrar essa nova competição. Até o primeiro-ministro de extrema-direita inglês, Boris Johnson, e um líder do partido trabalhista, Keir Starmer, se opuseram ao projeto da Superliga, o que expressa claramente que existe uma disputa econômica entre diferentes grupos capitalistas.

Porém, o fator essencial da derrota desse projeto de intensificação do monopólio dos clubes mais ricos da Europa foi a reação enérgica dos torcedores dos clubes envolvidos na criação da Superliga. Inúmeras manifestações de torcedores ocorreram nos dias seguintes ao anúncio e os clubes ingleses foram os primeiros a pular fora da iniciativa, seguidos pelos italianos e pelo Atlético de Madrid. Apenas Barcelona e Real Madrid, cujo mandatário é também presidente da natimorta Superliga, insistem na proposta.

Torcedores do Manchester United, por exemplo, invadiram o centro de treinamento em protestos direcionados ao proprietário do clube, o norte-americano Joel Glazer. Mesmo após a desistência dos clubes e pedidos de desculpas públicos dos mandatários, vários torcedores continuam com os protestos. Torcedores do Chelsea também focaram suas críticas ao dono do clube, o russo Roman Abramovich, em protesto no estádio Stanford Bridge.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.