Suástica e “Volta pra Bolívia” nas portas do CRUSP: é preciso reagir aos seguidores de Bolsonaro

porta-crusp-1024x640 (1)

Da redação – O Crusp (Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo), amanheceu nesta quarta-feira (17), com cinco apartamentos do bloco A trazendo pichações de suásticas em suas portas. Como vem ocorrendo em diversas localidades do Brasil, por ações de indivíduos isolados, fascistas que seguem a política do candidato à presidente, Jair Bolsonaro (PSL),  vemos como a extrema-direita se sente mais à vontade sem ter uma reação na mesma medida da esquerda, e, assim, demonstram seu grande preconceito contra negros, imigrantes, LGBTs e até mesmo mulheres que se colocam na defesa do PT sendo agredidas fisicamente.

Nesse sentido, encontramos ainda neste caso, uma frase que acompanhou um dos “pichos” contra os imigrantes: “Volta pra Bolívia”.

Um dos estudantes entrevistado pela imprensa burguesa, lembrou que na terça-feira (16), alguns apartamentos foram vandalizados, relacionando também a suástica à outros fatos que ocorreram pelo Brasil, pichações em locais de encontro de pessoas LGBT, em Igrejas e escolas. Afirmou preocupado: “vai começar a matança bolsonaristas”.

Segundo outros estudantes entrevistados, o clima na universidade vem ficando cada dia mais pesado, com situações estranhas acontecendo e por conta disso os estudantes evitam andar sozinhos, ainda mais com adesivos políticos e etc.

Para finalizar, vale ressaltar algo mais secundário, mas que revela o baixo nível intelectual desses fascistas, neo-nazistas, espancadores de mulheres e covardes. O símbolo nazista foi pichado de forma totalmente errada por esses capachos da burguesia assassina, um bando de “gorilas”, “valentões” que mal sabem escrever o próprio nome e por isso partem para a violência com finalidade de intimidar as organizações estudantis.

É preciso reagir e organizar Comitês de Auto-defesa em todos os locais onde os trabalhadores e estudantes se organizam. O Comitê de Luta Contra o Golpe da USP convoca todos para ações coletivas, reuniões e para reagir aos ataques fascistas.