Formação política
Tema do curso ministrado pelo PCO é de vital importância para quem não busca apenas compreender o fenômeno do stalinismo mas também atuar no Brasil atual
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Josef Stalin Franklin Roosevelt e Winston Churchill
Capitulações do stalinismo produziram derrotas monumentais para o proletariado, mas também lições | Foto: Reprodução

O Partido da Causa Operária inicia nesta terça-feira (5) a 46ª edição da Universidade de Férias, com o tema “O que foi o stalinismo?” O curso vem a calhar, dado o momento em que um revisionismo do papel desempenhado pelo stalinismo aparece no País, algo que parece um tanto aleatório, mas obviamente, cumpre um papel relevante para a crise política atual.

Resultado de uma derrota da ala revolucionária do bolchevismo, o stalinismo marcou a guinada à direita da Revolução Russa de 1917, sendo posteriormente, responsável por uma impressionante coleção de derrotas da classe operária a nível mundial.

A completa falta de orientação política da burocracia stalinista levou a União Soviética a adotar posições dignas de um filme de comédia pastelão: ora o stalinismo tratava como iguais fascistas e sociais democratas, ora criava distinções confusas entre imperialistas “democráticos” e imperialistas “antidemocráticos”, chegando mesmo a buscar acordos com o nazismo.

Duas derrotas monumentais na França, orientações desorientadas para operários da Itália e da Alemanha no combate ao fascismo, a insistência em querer submeter os comunistas da China à burguesia do país -com consequências trágicas para dezenas de milhares de chineses-, a traição aberta contra o levante dos trabalhadores espanhóis nos anos 1930, a manobra para submeter a classe operária da Europa ocidental à burguesia imperialista -pela crença da “democracia”-, e muitos outros fatos históricos derrubam o mito do “Guia genial dos povos”, como Stálin passou a ser conhecido após a Segunda Grande Guerra.

Sob diversos aspectos, as políticas erráticas adotadas pela burocracia soviética em muito se assemelham com as da esquerda pequeno-burguesa brasileira desde o Golpe de 16, levando a outra impressionante série de derrotas, o que não é um fenômeno aleatório. 

Longe de endossar a mistificação criada em torno da figura de Stálin, tido em sua fase mais gloriosa como um deus vivo, os revolucionários não devem opor-se à mistificação por uma crítica igualmente mistificadora -comum em alguns meios pequeno-burgueses ditos trotskistas-, de que Stálin seria um demônio ou algo do gênero.

Sendo parte intrínseca da luta de classes, a melhor forma dos militantes revolucionários observarem o fenômeno do stalinismo é -naturalmente- a partir de sua composição social. Sustentando-se sobre um setor tradicionalmente pequeno-burguês, a burocracia, toda a falta de princípios sólidos, a fragilidade diante da burguesia, o uso da histeria como método de luta política e tantas marcas características da pequena burguesia e visíveis no stalinismo ganham um caráter mais concreto.

O desenvolvimento do stalinismo produziu uma crescente degeneração do Estado operário, processo que seria paulatinamente aprofundado até o fim da União Soviética, no final do século 20. Este processo, desde sua concepção até o retrocesso completo da revolução, nos anos 1990, ajuda a esclarecer as motivações políticas dos setores mais à direita dentro da esquerda, os quais têm levantado a necessidade de uma aliança com a burguesia, ainda que extremamente danosa à classe trabalhadora.

A compreensão do fenômeno do stalinismo, portanto, diz muito sobre a atualidade que os revolucionários brasileiros atravessam, fazendo com que o curso da 46ª Universidade de Férias seja muito bem vindo a todos que buscam não apenas compreender mas também atuar no momento histórico que o País atravessa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas