Hoje: 18 de outubro
No último ato convocado pelo Conselho de Representantes, dia 9 de outubro, apesar de toda á sabotagem reuniu mais de duas mil pessoas na Praça da República, foi marcada á assemblei
SP - GREVE/PROFESSORES/PASSEATA - GERAL - Professores da rede estadual paulista de ensino chegam ‡ PraÁa da Rep˙blica, onde fica a   sede da Secretaria de EducaÁ„o, apÛs terem saÌdo em passeata do v„o livre do Masp, na   Avenida Paulista, em S„o Paulo, na tarde desta sexta-feira (20). Depois de assembleia do   sindicato (Apeoesp), a categoria decidiu pela continuidade da greve.    20/03/2015 - Foto: LUIS CLEBER/ESTAD√O CONTE⁄DO
Veja-abril.com |

No último ato da categoria dos professores paulistas, no dia 9 de outubro, a reivindicação principal era as mudanças nefastas na atribuição de aula de 2020. Diante da pressão dos docentes e a grave situação do magistério paulista, a assembleia de 26-10 foi antecipada para o dia 18 de outubro.

É o momento de avançar na construção da greve dos professores para enfrentar e derrotar os ataques dos da direita fascista, discípulo do golpista Jair Bolsonaro (PSL) e do fascista João Dória (PSDB). Como em outros momentos de grande crise no País, a mobilização dos educadores do maior sindicato do País, pode desemprenhar um papel importante no sentido de impulsionar uma mobilização mais ampla, que derrote essa ofensiva e ponha abaixo o governo ilegítimo de Bolsonaro e todos os golpistas.

A categoria conhece muito bem o projeto neoliberal dos tucanos (formulado pelo Banco Mundial e o FMI) para a destruição da educação pública. São quase 25 anos de sistemático sucateamento da infraestrutura escolar, transferência de dinheiro público para os conglomerados internacionais da Educação, via Parcerias Público-Privadas (PPPs), terceirizações de serviços, rebaixamento salarial e retirada de direitos trabalhistas (caso dos professores categoria “O”), autoritarismo das diretorias de ensino, repressão administrativa e policial e de imposição de duras condições de vida e trabalho aos docentes, ao longo dos seguidos governos tucanos.

A direita fascista avança sobre os direitos democráticos da população. Os professores estão na linha de frente do ataque. O projeto “Escola com Fascismo” já é uma realidade, na medida em que a perseguição política se intensifica com o pretexto de que ocorre uma “doutrinação comunista” nas escolas.

Em nível nacional, a categoria, de maioria feminina (80%), está ameaçada pelo projeto de roubo da Previdência que Bolsonaro e todos os golpistas que desejam aprovar o fim da aposentadoria para os professores e igualando a idade mínima para aposentadoria de professoras e professores, entre outros crimes que atingem a todos os trabalhadores.

A greve dos professore estaduais é fundamental e necessária na atual etapa, pois o desmonte e a perca de direitos é exponencial. Diante da crise do governo e da direita, com as diversas alas da burguesia claramente divididas,  os professores devem impulsionar uma mobilização nacional, a necessária greve geral. Todos ao MASP no dia 18 de outubro.

Relacionadas