Siga o DCO nas redes sociais

Assembleia dia 27 de setembro
SP: por uma greve dos educadores
O maior sindicato do país chamou assembleia para o dia 27 de setembro
Assembleia dia 27 de setembro
SP: por uma greve dos educadores
O maior sindicato do país chamou assembleia para o dia 27 de setembro
Manifestação da Apeoesp
Manifestação da Apeoesp

A assembleia estadual da Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP) está marcada para o próximo dia 27 de setembro, sexta-feira, no Vão Livre do MASP.

É o momento de avançar na construção da greve dos professores para enfrentar e derrotar os ataques da direita fascista, representada no governo federal Jair Bolsonaro (PSL) e no governo estadual, por João Doria (PSDB). Como em outros momentos de grande crise no País, a mobilização dos educadores do maior sindicato do Brasil pode desemprenhar um papel importante no sentido de impulsionar uma mobilização mais ampla, que derrote essa ofensiva e ponha abaixo o governo ilegítimo de Bolsonaro e todos os golpistas.

No primeiro semestre, os professores da rede estadual de São Paulo foram os protagonistas das manifestações contra a “reforma” da Previdência e o desmonte da educação.

A educação é o”bode expiatório” dos golpistas desde o golpe de 2016 e os professores estão sem reajuste há quase cinco anos.

A pressão das mobilizações de rua aprofundou a crise do bloco golpista e do governo Bolsonaro, de forma a exibir suas fissuras e contradições. Nesse sentido, as mobilizações podem ser consideradas vitoriosas. Contudo, para avançar na luta, é preciso que as organizações sindicais e os partidos de esquerda agitem uma greve geral com tempo indeterminado, pois mobilizações pontuais não serão capazes de derrotar a extrema-direita fascista e seu governo.

A situação nas universidades se repete em toda rede estadual de ensino (bem como nos municípios) com os governos inimigos da Educação seguindo a política de Bolsonaro de destruição do ensino público. É preciso unificar a luta de todos os educadores e organizar uma greve, por tempo indeterminado, da Educação.

Nesse sentido, a Corrente Educadores em Luta-PCO reivindica:

Reajuste salarial já.

Nenhum corte nas verbas para a Educação, que os capitalistas paguem pela crise. Mais verbas para a Educação. Verbas públicas somente para o ensino público.

Derrotar integralmente a “reforma” da Previdência. Aposentadoria para as professoras aos 25 anos de trabalho e para os professores aos 30 anos.

Fim do roubo dos salários: reposição integral das perdas salariais; Piso Salarial Nacional de R$ 6 mil para todos os professores (Meta 17 do PNE). Abaixo a Escola com Fascismo e a Militarização das Escolas.

Ensino Público, Laico e de qualidade para todos, em todos os níveis. Liberdade para Lula e todos os presos políticos. Anulação dos processos da criminosa operação lava jato.

Fora Bolsonaro e todos os golpistas. Eleições Gerais, com Lula candidato.