Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ato rio
|

O segundo ato contra o aumento das passagens de ônibus e transportes sobre trilhos, realizado ontem (16), em São Paulo, teve novamente a repressão criminosa da Polícia Militar.

O ato saiu da Praça dos Ciclistas, na Avenida Paulista, e pouco depois de seu início a PM já atacou os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Mesmo com a repressão, o ato foi retomado e continuado, passando pela Rua da Consolação até chegar a Praça Roosevelt.

A repressão logo no início mostra como, com os governos de extrema-direita de Bolsonaro a nível nacional e Doria a nível estadual, a PM se sente ainda mais a vontade para atacar e massacrar a população.

Os governos estadual e municipal (de Bruno Covas), ambos do PSDB, aumentaram de R$ 4,00 para R$ 4,30 as tarifas das passagens do transporte público, um incremento que é o dobro da inflação acumulada em 2018.

O movimento se apresentou como o primeiro de contestação ao regime de extrema-direita, e, como tem um grande potencial pois as medidas governamentais são extremamente impopulares e atinge grandes parcelas da população, deve ser elevado por meio da mobilização e organização de amplos setores, para que se juntem ao movimento e lutam de maneira decisiva pelo Fora Doria e pelo Fora Bolsonaro, pelo fim do golpe, a liberdade de Lula e a estatização dos transportes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas