Menu da Rede

Apesar de todo o aparato, direita é residual nos atos

Crise

SP: Perda de renda na pandemia aumenta ocupações e despejos

Em meio a pandemia, desemprego em massa toma conta da classe operária assim como número de sem tetos

Sem moradia – Reprodução

Publicidade

Por Brasil de Fato

O aumento do número de despejos, de novas ocupações, de remoções e reintegrações de posse na Região Metropolitana de São Paulo está associado à perda de renda de famílias em meio à pandemia.

Sem trabalho e sem auxílio emergencial, muitas famílias não podem continuar pagando aluguel. Despejadas, vão para ocupações precárias, e assim passam a ser alvos de processos de reintegração de posse, remoções e ameaças.

Assim foi ao longo de 2020, segundo avaliação do Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade), da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP).

O levantamento, divulgado na última terça-feira (27), aponta que 2.726 famílias foram afetadas por cerca de 28 remoções na Região Metropolitana de São Paulo. Outras 7.141 famílias sofreram ameaças de remoção em 48 situações. O uso da força e da violência policial é um traço comum em todos os casos.

Sem legislação que as proteja, diversas famílias com perda de renda continuaram sendo removidas de maneira forçada – mesmo com a chegada da pandemia e as medidas de isolamento social adotadas nos estados – e muitas outras sofreram ameaças. Foi assim em todo o primeiro semestre.

Diante da gravidade da situação, defensores públicos, advogados populares, movimentos e apoiadores do movimento de moradia passaram a reivindicar a suspensão de despejos, reintegrações e imissões na posse em função das medidas de distanciamento social.

Uso de violência

Algumas decisões judiciais suspenderam reintegrações de posse de ocupações recentes, que já estavam em curso. Outras nem levaram em consideração a pandemia.

Na madrugada de 16 de junho, a Polícia Militar usou de violência contra 900 famílias para a reintegração de posse de um terreno na Vila Roseira, bairro do distrito de Guaianases, zona leste da capital paulista.

O projeto para o local é a construção de um conjunto habitacional. Não havia assistentes sociais para ampará-los, tampouco alternativa de atendimento habitacional. Sem dinheiro para o aluguel, algumas das famílias foram para casas de parentes. Outras para barracos à beira de um córrego na região.

Outro exemplo foi a remoção de famílias de uma ocupação em Diadema, aberta durante a pandemia. A área é da Ecovias, que administra o sistema Anchieta-Imigrantes.

A suspensão de remoções e reintegrações de posse, em número reduzido, ocorreu no período de maior impacto das medidas de distanciamento social, que afetaram as atividades do Judiciário. Já no segundo semestre, o Tribunal de Justiça de São Paulo passou a autorizar as remoções que estavam suspensas.

Sem renda e sem casa

Muitas das remoções de 2020 partiram de prefeituras, muitas vezes sem ordem judicial. Uma delas foi em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que regulamentou demolições administrativas por meio de decreto de 2018, sob a justificativa de contenção de novas ocupações.

O expediente foi adotado também pelo governo do estado. Segundo os pesquisadores do LabCidade, essas demolições foram sendo feitas aos poucos, de maneira quase imperceptível. Em alguns casos, não foi possível sequer levantar informações sobre o número de famílias removidas.

A situação, porém, teria sido pior se não fossem as articulações e mobilizações dos movimentos sociais de moradia contra os despejos e remoções, que culminaram com a denúncia à relatoria da ONU para o direito à moradia, além da formação da Campanha Nacional Despejo Zero – Em defesa da vida no campo e na cidade.

A expectativa é que neste segundo ano de pandemia, sem políticas contra a perda de renda, muitas famílias enfrentarão ainda mais dificuldades. Isso porque, pela percepção de defensores e advogados populares, ainda há muitos processos represados e que devem ocorrer nos próximos meses.

Além disso, estão surgindo novas ocupações e aumento de procura por espaço em ocupações já existentes. Porém, não há legislação federal que as defenda, já que um projeto de lei (PL 1975/2020) que trata do tema, proposto em maio ao Congresso Nacional, até agora não foi votado.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.