Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O agrupamento fascista MBL, patrocinado pelo imperialismo e pela direita brasileira, do vereador Fernando Holiday, amplamente repudiado pelos professores paulistanos em greve na capital paulista, numa verdadeira afronta à categoria em greve contra o projeto de Dória de destruição das aposentadorias e rebaixamento salarial, com ampliação de até 19% de contribuição para a previdência municipal, lançou um chamado para um ato do “escola sem partido” em frente à câmara municipal, um dia depois da assembleia dos professores marcada para esta terça feira dia 20 de março.

O projeto Escola sem Partido é um ataque sem precedentes à liberdade de cátedra do professorado. Tal ataque é mais uma afronta golpista que vivemos no país. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 assegura a liberdade de cátedra em seu artigo 206, assim descrito:

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

II – liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;
III – pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas.”

Esse principio aponta no sentido da liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber, tem como finalidade a garantia do pluralismo de idéias e concepções no ensino, assim como a autonomia didático-científica. Permite que os docentes expressem, com relação à matéria ensinada, suas próprias convicções e pontos de vista, sem que haja a imposição de um único critério metodológico ou didático, quando haja vários reconhecidos cientificamente.

Há cerca de cinco meses os professores de Santo André organizados, com a realização de várias atividades como panfletagens, aulas públicas, pressões aos vereadores e atos públicos derrotaram os fascistas, defensores do escola sem partido, com os vereadores arquivando o projeto.

A proposta de ato fascista em frente à Câmara deve ser encarada pelos professores paulistanos, que já enfrentaram a PM e a GCM, como uma proposta para desmobilizar a luta que neste momento se desenvolve. É necessário aprovar na assembleia deste 20 de março, um ato de todos os profissionais em educação no dia 21 de março em frente à Câmara dos vereadores contra o Escola sem Partido.

Fascistas não passarão!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas