Siga o DCO nas redes sociais

Escolas de tempo integral
SP: Marília não terá noturno em 2020 no maior bairro da cidade
No maior bairro da cidade de Marília,interior de São Paulo, terão todas as escolas que tem noturno, transformadas em tempo integral
14_05_19diego1sap-3849312
Escolas de tempo integral
SP: Marília não terá noturno em 2020 no maior bairro da cidade
No maior bairro da cidade de Marília,interior de São Paulo, terão todas as escolas que tem noturno, transformadas em tempo integral
Alunos nas salas
14_05_19diego1sap-3849312
Alunos nas salas

Em Marília, interior de São Paulo, algumas escolas ao longo dos últimos anos têm fechado o noturno, de forma gradativa e criminosa, no maior bairro da cidade. Neste segundo semestre, está sendo discutido que as duas últimas escolas onde há noturno serão transformadas em Escolas de Tempo Integral (PEI).

O bairro da Nova Marília tem o I,II, III e IV entre outros, já tem umas quatro escolas que não tem noturno e as duas que ainda tinham, EE Antonio Augusto Neto e EE Sylvia Ribeiro de Carvalho, serão transformadas em escolas de tempo integral, as PEIs.

O que vai acontecer com os milhares de alunos que trabalham fora e moram no bairro e ficarão sem escola para estudar? Os estudantes na sua maioria trabalham no centro da cidade e retornam para o bairro para estudar.

Com o fechamento total de todas as escolas do bairro e proximidades, vai dificultar a vida de diversos aluno-trabalhadores que tinham a facilidade de estudar próximo.

O ensino noturno é mais caro para o Estado, por isso, andam promovendo seu fechamento em todo o Estado de São Paulo. Atualmente, podemos contar que das 60 escolas da diretoria de Marília, somente umas vinte contam com o ensino noturno.

Essa é a política dos golpistas: eliminar a escola pública no ensino médio, ofertar apenas o ensino fundamental .

O governo paulista fala muito nos índices das escolas, como se procurasse alcançar metas de melhorias dos resultados desastrosos do processo de ensino-aprendizagem, e como se o caos que reina não fosse um produto direto e perseguido pelo governo inimigo do ensino público e defensor do ensino pago.

As circunstâncias impostas pela política do governo, no fechamento de salas e turnos evidenciam que – longe de perseguir qualquer melhoria na Educação – o que temos é uma política de rapina, de terra arrasada para a Educação.