Uma esquerda de estimação
O PSOL e Boulos foram os escolhidos da direita golpista como os “substitutos” de Lula e do PT
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
16112020---guilherme-boulos-psol-e-bruno-covas-psdb-antes-do-debate-promovido-pela-cnn-brasil-para-a-prefeitura-de-sao-paulo-1605571066240_v2_1920x1279
Boulos e Covas: dois candidatos da frente ampla. | Arquivo

O “fenômeno Boulos” desperta uma questão interessante sobre o PSOL e seu candidato: qual o interesse da imprensa golpista – e portanto da direita – de procurar e escolher um representante da esquerda nacional? A pergunta poderia ser respondida de várias maneiras.

Os ingênuos, cegos e meramente oportunistas – nas eleições está cheio deles – poderiam afirmar que a imprensa golpista, apesar de golpista, está comprometida com a verdade e realmente quando ela aponta caminhos e dá conselhos para a esquerda não há nenhuma intenção, nenhum interesse por trás disso.

Mas como não somos nem cegos, nem ingênuos, nem oportunistas e também não nos deixamos levar pela histeria eleitoral, a resposta correta à pergunta acima só pode ser uma: quando a direita escolhe a sua esquerda, ela faz isso pensando nos seus interesses políticos gerais, ou seja, a manutenção do golpe.

O portal da rádio jovem Pan, que é reconhecidamente um órgão de extrema-direita, afirmou que

“Boulos tira o lugar de Lula na liderança da esquerda brasileira” (16/11/20).

Já o jornal O Globo faz a pergunta retórica:

“Boulos ganha cacife para virar um Lula 4.0 no futuro?”.

A revista Época, que também pertence às organizações Globo, por sua vez, afirmou que

“Boulos reinjeta utopia na esquerda e sinaliza a chance de união”

muito “interessada” com as possibilidades de união da esquerda.

Todas essas declarações não são fortuitas nem são meras constatações da imprensa. A não ser que acreditemos que a imprensa golpista está focada em apresentar a verdade acima de tudo, a orientação política da direita golpista de conjunto é apresentar o PSOL como a nova representação da esquerda nacional e Boulos como um substituto de Lula..

A realidade aqui passa muito longe. Nem o PSOL vai substituir o PT nem Boulos pode assumir o lugar de Lula. A colocação da imprensa golpista é meramente propaganda. Em suma, a imprensa golpista está dando vazão ao sonho da direita nacional.

Esse sonho da burguesia é encontrar uma esquerda domesticada – bem mais domesticada que o PT -, sem nenhuma base popular e sem um programa político que ofereça qualquer risco para a direita. Esse é exatamente o perfil do PSOL.

O PSOL surgiu como um racha do PT, criado por parlamentares pequeno-burgueses que defendiam toda a política de conciliação de classes do PT na teoria e na prática, mas com um diferencial: a ausência de base popular.

O desenvolvimento da situação e principalmente a posição do PSOL nestas eleições escancararam o problema. O PSOL se mostrou altamente domesticado e domesticável. A imprensa golpista desde o início rasga elogios a Boulos e prepara a operação dos sonhos.

O PT, em particular a ala lulista, é um problema para a burguesia. Sua base popular, o apoio dos quase 3 mil sindicatos da CUT e dos movimentos populares, transformam o PT não pelo seu programa ou ideologia, num partido muito mais difícil de ser controlado. Por isso, inclusive o golpe de Estado.

A mesma imprensa que se dedicou a vomitar todo o tipo de calúnias e mentiras contra o PT e a esquerda, agora se dedica a elogiar o PSOL e a elegê-lo como a sua esquerda.

Quem melhor descreveu o papel político que a burguesia quer para o PSOL foi o Estado de S. Paulo, em editorial do último dia 22, intitulado “Não é hora para aventuras”. No artigo, o porta-voz da burguesia paulista e nacional deixa claro que, embora a melhor opção seja manter o candidato tucano, Bruno Covas,

“É preciso igualmente reconhecer que o desafiante de Bruno Covas, Guilherme Boulos, do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), mostrou-se amadurecido. Deixou de lado o figurino de agitador que marcou sua carreira como líder dos sem-teto de São Paulo para agregar apoio a seu projeto político, o que foi suficiente para se viabilizar como um candidato de esquerda competitivo numa cidade que desde as eleições de 2016 repudia fortemente o PT e tudo o que o lulopetismo representa. Guilherme Boulos certamente será, assim, um nome forte da esquerda em disputas futuras, despontando como líder de uma reorganização dos partidos que até há pouco orbitavam o PT e Lula da Silva. No final das contas, esse deve ser seu papel na eleição do domingo que vem.”

Para o Estadão, portanto, Boulos já está cumprindo o seu papel nas eleições: ser “um nome forte da esquerda em disputas futuras”, isso numa cidade que, segundo o mesmo Estadão, repudia o “lulopetismo”. Na realidade, Boulos somente chegou até aqui pela própria campanha da imprensa golpista, mas também, aparecendo como o grande substituto de Lula, que a própria imprensa fez questão de ressaltar.

Quem repudia o “lulopetismo” não é o povo de São Paulo, mas o próprio Estadão que procura um substituto para Lula, capaz de “reorganizar os partidos que até há pouco orbitavam o PT e Lula“.

O sonho da burguesia é apresentado com todas as letras neste editorial. Boulos é a esquerda escolhida pela direita. A direita escolheu o seu esquerdista de estimação. Como um time que escala o time adversário, a direita escolheu a sua esquerda, ou a sua oposição.

A substituição de Lula e do PT não é um mero jogo político superficial, mas é parte de uma manobra para isolar Lula. Faz parte dessa operação fazer crer que Lula não é popular, que Lula não deve ser candidato e que a esquerda deve se integrar na frente ampla “sem o PT na cabeça” como disse a jornalista Vera Magalhães, do Estadão, ao criticar a posição do PCO sobre Guilherme Boulos.

A burguesia conta com uma esquerda sem base popular. Só assim será possível uma manobra que consiga colocar um nome da direita golpista, apoiado pela esquerda. O que está em jogo é a manutenção do golpe de Estado com o apoio da esquerda pequeno-burguesa.

Por isso, os trabalhadores devem repudiar a manobra e denunciar claramente a operação que a burguesia está colocando em prática. Boulos, o PSOL e a esquerda da frente ampla cumprem nesse momento o papel de sustentar a própria direita golpista, que efetivamente é quem tem os piores planos contra o povo. É ela a responsável por Bolsonaro e todos os ataques às condições de vida dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas