Solidariedade: um, dois, três, quatro, cinco mil, é Aldo Rebelo no partido mais pelego do Brasil

aldo e paulinho

O ex-dirigente do PCdoB, Aldo Rebelo, que após o golpe de Estado havia saído desse partido e filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro) para ser o candidato à presidente da República, mudou novamente de sigla, se filiando agora ao direitista partido Solidariedade.

Sua filiação ao Solidariedade se deu no dia 05 de abril, e sua ficha de filiação foi assinada diretamente pelo pelego e golpista Paulinho Pereira, o Paulinho da Força, elemento de confiança dos patrões da FIESP (Federação Nacional das Indústrias de São Paulo).

Aldo se prepara para ser mais um dos candidatos da improvável eleição de 2018. Como o PSB se posicionou em lançar o direitista e golpista Joaquim Barbosa, ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Aldo Rebelo deixou o PSB para tentar ser o candidato da legenda golpista Solidariedade.

O que é curioso de toda essa peregrinação de Aldo Rebelo para ser candidato a presidente, é que seu partido de origem o PCdoB, está lançando candidatura a presidente, e não teria nenhum problema para que Aldo fosse o candidato do partido.

Mas, a saída de Aldo do PCdoB deixa claro que ele quer ser candidato à presidente da República por siglas que representam claramente setores de direita e burgueses e não com aparência de esquerda.

Aldo Rebelo foi dirigente do PCdoB por 40 anos, saiu do partido em um momento de polarização política no país, entre a esquerda e a direita, sem que os dirigentes do PCdoB sequer escrevesse uma única linha de crítica a sua posição de abandono das posições de esquerda para se juntar as alas da direita.

Aldo Rebelo foi elemento de proa no governo Lula e Dilma pelo PCdoB, sendo líder do governo na Câmara de Deputados, Chefe da Casa Civil, Ministro dos Esportes e por fim Ministro da Defesa escolhido pelos próprios militares, mas está agora se filiando a um dos partidos (Solidariedade) que mais atuaram para impor o golpe no país, derrubando o governo que Aldo fazia parte.

A falta de crítica do PCdoB e da sua pré-candidata a Presidência da República, Emanuela D´Ávila, a posição traidora de classe de Aldo Rebelo, só mostra que a candidatura de Emanuela não é pra valer e que o PCdoB atua para não desagradar setores golpistas, dois quais o PCdoB são parceiros, como o PSB de São Paulo, que estão no bolso de Geraldo Alckmim.

O Solidariedade, novo partido de Aldo Rebelo, apoiou integralmente o fraudado impeachment de Dilma Rousseff, apoiou a reforma trabalhista que destruiu os direitos dos trabalhadores, pediu a intervenção militar no Rio de Janeiro e em demais estados do país, faz parte da escória fascista que saiu às ruas pedindo a prisão de Lula, carregando “pixulecos” do Lula e de Dilma Rousseff, enquanto abraçavam Aécio Neves e Geraldo Alckmin do PSDB em manifestações direitistas.