Siga o DCO nas redes sociais

Desmonte da Educação
Sob Temer e Bolsonaro, cada vez menos brasileiros vão para a escola
Os governos golpistas de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (ex-PSL) promovem o demonte do ensino público, o que acarreta a queda no número de matrículas no ensino básico.
O mentecapto.
Desmonte da Educação
Sob Temer e Bolsonaro, cada vez menos brasileiros vão para a escola
Os governos golpistas de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (ex-PSL) promovem o demonte do ensino público, o que acarreta a queda no número de matrículas no ensino básico.
Ministro da Educação Abraham Weintraub.
O mentecapto.
Ministro da Educação Abraham Weintraub.

Desde o golpe de Estado de 2016, verifica-se a queda de matrículas no ensino fundamental e médio no país. No total, são quase um milhão de estudantes a menos, no período entre 2016 e 2019, isto é, uma queda de 2%.

Os dados são Censo Escolar de 2019, divulgados na última sexta-feira (31) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Segundo este, o país tem uma população estudantil de 47,8 milhões de estudantes, 38,7 milhões na rede pública e 9,1 milhões nas redes privadas.

O ensino fundamental perdeu  767 mil alunos nos últimos quatro anos, enquanto o ensino médio sofreu uma perda 667 mil alunos. A modalidade de Educação de Jovens  Adultos (EJA) caiu 7,7%, chegando a 3,2 milhões em 2019.  Neste ano, o EJA teve o menor nível de investimento dentro de uma década.

Os governos golpistas de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (ex-PSL) têm promovido o sucateamento e desmonte da educação pública, o que tem resultado na queda no número de matrículas. Cada vez menos brasileiros frequentam as escolas e, por isso, ficam impossibilitados de aprender a ler e a escrever e se apropriar do patrimônio cultural, científico, tecnológico e filosófico que as escolas transmitem. Isso em um país onde o analfabetismo pleno e o analfabetismo funcional são problemas generalizados.

Leia Também  Metade dos alunos não consegue acompanhar aulas remotas em SP

As condições econômicas do são fundamentais nesse processo de negação das condições do ensino. A política neoliberal implementada no país, resultado golpe de Estado, tem como consequência que amplas parcelas da população se encontram em situação de miséria crônica e enfrentam dificuldades para satisfazer as necessidades mais básicas de sobrevivência. Nestas condições, matricular-se, permanecer e dedicar-se ao aprendizado na escolas passa a ser um enorme desafio.

A extrema-direita golpista procura desmontar o ensino público, destruir a cultura e atacar os professores. Sua ideologia é obscurantista e anticientífica e o ideal é que a população trabalhadora e seus filhos não possam ter direito ao ensino, aprender a ler e a escrever, se apropriar do patrimônio cultural da humanidade e se organizar para lutar por seus interesses.

 



1 Share
Share via
Copy link