Ancine censura obra Marighella
Após mais de um ano, a obra finalmente pode entrar em cartaz e pôde ser assistida desde o último dia 19/11 até ontem (25/11) no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, em Salvador,
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
17984742336_6afe62f00a_c(1)
Faixa com imagem de Marighella | Foto: Reprodução

“A Ancine [Agência Nacional do Cinema] censurou o filme. É uma censura diferente, que usa instrumentos burocráticos para dificultar produções das quais o governo discorda. Não tenho a menor dúvida de que ‘Marighella’ não estreou ainda por uma questão política.”

Esse foi o desabafo do ator e diretor Wagner Moura, feito em janeiro de 2020, para matéria no UOL.

O filme, que deveria ter estreado em 20 de novembro de 2019, foi adiado após a produtora ter pedido de prazo de uma proposta. cujo objetivo era obter recursos para financiar a distribuição da obra, negado pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Para Wagner Moura, a negativa teve motivações políticas.

O ator e diretor baiano ainda considera que o governo “aparelhou” as instituições responsáveis pela gestão das políticas de cultura, com o objetivo de censurar os adversários.

Após mais de um ano, a obra finalmente pode entrar em cartaz e pôde ser assistida desde o último dia 19/11 até ontem (25/11) no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, em Salvador, como parte das comemorações pela Semana da Consciência Negra.

O filme é uma cinebiografia de Carlos Marighella, baiano de Salvador/BA, ex-deputado, poeta e revolucionário marxista-leninista brasileiro que foi assassinado pela ditadura militar em novembro de 1969. A história é uma adaptação do livro de 2012 “Marighella – O Guerrilheiro Que Incendiou o Mundo”, de Mário Magalhães. Mesmo sem estreia nacional, a obra passou por cinco festivais internacionais, inclusive o famoso Festival de Berlim.

Marighella foi dos principais agentes da luta armada contra a ditadura militar brasileira, chegou a ser considerado o inimigo “número um” do regime e foi cofundador da Ação Libertadora Nacional.

Além de censura, o filme sofreu diversos ataques, entre eles o uso de robôs (um método comum da atual direita fascista) para reduzir a avaliação do filme no IMDB (famoso site de avaliação de filmes).

A censura a Marighella é mais um sintoma da doença fascista que tomou conta do Brasil, o atual regime e seus simpatizantes (a direita não possui militantes, apenas oportunistas) perseguem toda e qualquer forma de oposição política, seja ela cultural, acadêmica ou organização popular. É emblemático, no mês da Consciência Negra, a perseguição a um filme sobre um revolucionário afrodescendente, mostrando a face racista da direita.

É preciso lutar contra o governo Bolsonarista e todos os seus apoiadores fascistas, dizer não a censura contra a nossa história, não ao racismo! Fora Bolsonaro, fora todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas