Siga o DCO nas redes sociais

Desmonte do SUS
Sob Bolsonaro, nada de sangue e remédios para pacientes do SUS
Na última sexta-feira (27), o governo golpista de Jair Bolsonaro vetou um projeto que obrigava o Sistema Único de Saúde (SUS) a garantir sangue e remédios a pacientes
42149028472_ac48b3c926_k
Desmonte do SUS
Sob Bolsonaro, nada de sangue e remédios para pacientes do SUS
Na última sexta-feira (27), o governo golpista de Jair Bolsonaro vetou um projeto que obrigava o Sistema Único de Saúde (SUS) a garantir sangue e remédios a pacientes
Foto: Silvio Dreveck/Flickr
42149028472_ac48b3c926_k
Foto: Silvio Dreveck/Flickr

Nesta sexta-feira (27),  governo golpista de Jair Bolsonaro vetou um projeto que obrigava o Sistema Único de Saúde (SUS) a garantir sangue e remédios a pacientes. Para o presidente fascista, o projeto criava uma obrigação financeira e gerava despesa ao poder público. Segundo nota da assessoria de imprensa da Presidência da República, o veto ao projeto seu deu por considerações “técnicas e jurídicas”, sem explicar quais são essas alegadas considerações.

O veto demonstra que, se depender da direita bolsonarista, a esmagadora maioria da população que depende da rede pública de saúde ficará abandonada a sua própria sorte. Para Bolsonaro, o Estado não deve ter a obrigação de proporcionar assistência com bolsas de sangue e remédios, pois isso gera uma despesa com a saúde da população. E é muito claro que para ele o poder público não deve gastar com a população, mas somente com os banqueiros, latifundiários e grandes capitalistas.

A direita neoliberal considera que qualquer investimento nos serviços públicos como saúde, educação, previdência, assistência social, cultura, moradia e programas sociais como Bolsa Família  são gastos supérfluos, desnecessários e um grande desperdício. O mercado e os capitalistas é quem devem prestar os serviços para quem puder pagar, pois isso seria seguir a política de incentivo ao livre mercado.  Essa é a lógica do Ministro da Economia, o Chicago Boy Paulo Guedes.

Essa medida evidencia o caráter do Golpe de Estado de 2016, que tem promovido sucessivos cortes orçamentários na rede pública de saúde e em todos os programas sociais, com o objetivo de transferir todos os recursos para o capital financeiro, patrocinador do movimento golpista.