Siga o DCO nas redes sociais

A farsa da carteira digital
Sob Bolsonaro, verba do MEC serve apenas para atacar os estudantes
Governo faz propaganda de carteirinha para atacar as organizações estudantis, reduzindo sua capacidade de financiamento
minsedu06
A farsa da carteira digital
Sob Bolsonaro, verba do MEC serve apenas para atacar os estudantes
Governo faz propaganda de carteirinha para atacar as organizações estudantis, reduzindo sua capacidade de financiamento
Ministro de Bolsonaro dizendo alguma asneira sobre os estudantes. Foto: Lula Marques/Fotos Públicas
minsedu06
Ministro de Bolsonaro dizendo alguma asneira sobre os estudantes. Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

Da redação – Não se pode dizer que a atuação governamental do representante brasileiro do  fascismo mundial não tenha o seu mérito. Bolsonaro conseguiu ser mais prejudicial ao ensino e à juventude brasileira em um ano do que todos os anos de governos neoliberais anteriores, tais como Temer e FHC.

Infelizmente, grande parte da esquerda brasileira insiste em se limitar a dar sugestões administrativas que imagina ser adotadas por um governo dominado pela ideologia fascista ou, no máximo, pedir uma mudança nos asseclas e nos capangas empregados por ele como aconteceu com o Goebbels brasileiro, com o professor colombiano alucinado ou o antigo secretário de comunicação dono de empresa de propaganda.

Iniciado o ano de 2020 vemos que temos a chance de reverter esta situação. Mas antes vamos analisar mais uma farsa que este governo está montando.

Nos últimos meses fomos premiados pela propaganda do lançamento da carteira estudantil digital. No vídeo de trinta segundos é informado que a carteira permitiria mais economia e segurança em “benefício da educação”. Bem, a questão é: quem será o beneficiado desta economia e desta segurança? Só em propaganda já foram gastos 2,5 milhões de reais como destaca a reportagem do jornal da família Frias, sem constar os custos da implementação do aplicativo a ser instalado nos celulares para acessá-la. Entretanto, como isto foi implementado por medida provisória editada em setembro e perderá a validade no domingo próximo (16) visto que terá transcorrido os 120 dias de validades.

Inclusive tem circulado por grupos de WhatsApp correntes digitais pedindo que as pessoas pressionem o presidente do Congresso Nacional, o Botafogo da lista da Odebrecht, Rodrigo Maia, para que coloque a MP em votação. Nestas mensagens, dizem que o dinheiro arrecadado vai para os “comunistas”, uma alusão ao fato de que a UNE e a Ubes são organizações estudantis que os seus presidentes são ligados ao PCdB. Pode ser por isso que dia desses um alucinado chamou Maia de comunista como se isso fosse um xingamento.

Mesmo que seja aprovada em tempo recorde, visto que a tramitação está parada, valeria a pena instalar no seu celular um aplicativo de um governo com cada vez mais características fascistas? Um aplicativo que poderá saber onde você esteve, cruzar informações de quais outros estudantes estiveram com você. Pois todas as medidas deste governo são contra os estudantes, lembrando que nas manifestações de julho o Mussolini de Maringá convocou a Força Nacional, criação do “autocrítico” Tarso Genro, para reprimi-las em Brasilia,

Este caso da carteira digital mostra como a disputa entre os setores da burguesia é intensa, visto que mostra uma falta de comunicação entre Congresso e presidência quando o assunto não é a retirada de direitos, principalmente econômicos, dos trabalhadores. Assim, o que todas as pessoas que compreendem o risco da ação fascista no Brasil devem fazer é aproveitar o lançamento da Campanha Fora Bolsonaro neste domingo e começar a organizar os comitês Fora Bolsonaro nas suas escolas, universidades, nos seus bairros e nos seus locais de trabalho.