Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Frente ampla pode?

Só o PT não pode fazer conciliação de classes

As manifestações da frente ampla no Chile, na Bolívia, nos EUA e no Brasil mostram como a burguesia golpista e direitista está tomando conta da esquerda mundial. A mesma esquerda q

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Quando o PT foi eleito em 2002 para a presidência da República, a aliança com um grande capitalista, José Alencar, como vice de Lula, marcava claramente que se tratava de um governo não apenas de conciliação de classes mas de um acordo entre setores da burguesia que “permitiram” que Lula assumisse, inclusive tendo em vista a necessidade de conter um movimento de massas potencialmente em ascensão na América Latina.

A esquerda pequeno-burguesa, de um modo geral, foi conivente e apoiou esse acordo, embora devesse ser óbvio que o governo justamente por ser de conciliação, teria uma política de ataques ao povo, ainda que de maneira mais amena do que os 12 anos anteriores.

A reforma da Previdência apresentada pelo governo Lula foi o pretexto para que a esquerda, que apoiou a eleição e a política de conciliação, se transformar em oposição ao governo do PT. A esquerda pequeno-burguesa passou a se referir a Lula e ao PT como governo de traidores.

Esse posição, que nada mais foi do que uma demonstração da política eleitoral desse esquerda, de olho num espaço que poderia ser deixado pelo PT, se desenvolveu até as posições mais abertamente direitistas de hoje. A pretexto de fazer oposição ao governo petista, a esquerda pequeno-burguesa não viu a mudança na situação e foi levada a uma política de apoio ao golpe de Estado.

Toda essa história, bastante resumida aqui, é importante para mostrar a falta de princípios da esquerda, por um lado, e por outro que fundamentalmente não há diferença de conteúdo no que diz respeito à política de conciliação.

Enquanto a esquerda via a oportunidade de ganhar com o governo de Lula, nem mesmo a aliança com um grande capitalista foi capaz de impedir que se apoiasse sua eleição e seu governo. Na medida em que entenderam que poderiam ganhar alguma coisa se distanciando do PT, operaram uma política de oposição.

Agora, vemos a demonstração mais falida dessa completa falta de princípios. A esquerda que ficou por anos criticando a política de conciliação do PT no governo é agora a maior defensora da frente ampla, que é a conciliação de classes escancarada.

De tanto falar mal da política de conciliação de classes do PT, o PSOL acabou se aliando com a direita no golpe de Estado. Agora, são suas principais figuras nacionais os maiores defensores de uma aliança com a burguesia na frente ampla. Os destaques aqui são Guilherme Boulos e Marcelo Freixo. Os psolistas entraram de cabeça na frente ampla que é a unidade com setores da direita com o pretexto de derrotar Bolsonaro. Só para não deixar passar, essa mesma direita que é ne realidade a principal responsável por Bolsonaro e quem sustenta seu governo agora.

Essa política de frente ampla é a manobra que a burguesia imperialista está adotando em vários países. Consiste basicamente em constituir um arco de alianças com setores da direita – excluindo apenas a extrema-direita – colocando a esquerda a reboque. A presença da esquerda aí serve apenas como uma cobertura para uma manobra ultra direitista.

Vemos isso no Brasil, mas também muito claramente na eleição dos EUA, onde a esquerda foi arrastada para o apoio a Joe Biden, um candidato do imperialismo e muito direitista.

A mesma manobra se viu nas eleições bolivianas, com a vitória de Arce, e nos elogios à constituinte chilena, que foi um acordo entre a direita e a esquerda para sustentar um regime que poderia ter caído após as enormes mobilizações do ano passado.

A frente ampla é uma política de conciliação de classes, mas com uma diferença importante ao que fez o PT e os demais governos nacionalistas de esquerda. Estes últimos estiveram à frente desses governos e realizaram reformas sociais, ainda que muito moderadas. A frente ampla, por seu turno, é apenas uma aliança em que a esquerda não cumpre nenhum papel a não ser servir como cobertura para a direita.

A frente ampla é a conciliação de classes na qual a esquerda não ganha nada.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

NA COTV

Marighella e Lamarca e a resistência ao regime militar - Parte 2 - Universidade Marxista nº 421

106 Visualizações 105 minutos Atrás

Watch Now

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.